BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A NOVA ORDEM PETISTA - MARIA LUCIA VICTOR BARBOSA

A NOVA ORDEM PETISTA

Maria Lucia Victor Barbosa
28/09/2013

A recente vitória do PT, quando o STF livrou “mensaleiros” das penas já impostas sinalizando para outras mais atenuadas, demonstrou que a Nova Ordem Petista para a América Latina se fortaleceu e está sendo levada adiante a diretriz do Foro de São Paulo: transformar o Brasil, maior economia do continente, na União das Repúblicas Socialistas Latino-Americanas.
Com o voto do ministro Celso de Mello que modificou suas anteriores explanações jurídicas e anuiu aos embargos infringentes, postergando para a eternidade o julgamento que parecia ter chegado ao fim depois de quase oito anos de tramitação, dissipou-se a esperança de um punhado de brasileiros. Esperança de que não seríamos mais o país de impunidade, que finalmente se realizaria a isonomia que no Direito significa que todos, sejam ricos ou pobres, são iguais perante a lei e que a proteção social deve vir da Justiça sem favorecimentos com base em diferenciações políticas, financeiras ou de quaisquer outras espécies.
Por outro lado, a sensação que a instância mais alta do Poder Judiciário se fortalecia agradava a minoria de cidadãos que vê com apreensão o domínio petista se estendendo a partir do Executivo.
Ledo engano. Favorecidos ficaram os corruptos, ladrões de nossos pesados impostos que os sustentam em cargos públicos. Retire-se o crime de quadrilha e o chefe desta e seus comparsas petistas terão suas penas reduzidas, podendo cumpri-las em regime semiaberto. Isto se não houver mais e mais embargos infringentes, até que os velhacos que promoveram o maior escândalo de corrupção do Brasil estejam totalmente livres e transformados em vítimas inocentes da imprensa, das elites e do tribunal de exceção, a merecer de novo o voto popular.
Outra consequência da decisão do STF ao acolher os embargos infringentes é o chamado efeito dominó, o que nos consagra definitivamente como o país da impunidade, refúgio ideal para bandidos do quilate de Cesare Battisti.
Conforme noticiado no jornal O Estado de S. Paulo (22/09/2013), tal decisão que empolga os advogados de defesa dos mensaleiros com a possibilidade de lançar mão de mais recursos para defender seus clientes, pode beneficiar réus de 306 ações que se arrastam na Corte, sem previsão de conclusão. Entre os que poderão ingressar com o recurso estão o deputado Paulo Maluf (cabo eleitoral do prefeito Haddad) e os senadores Fernando Collor e Jader Barbalho.
Aos que apelam ao direito de defesa dos réus como algo inerente aos direitos humanos é bom lembrar as palavras do ex-ministro do STF, Eros Grau. Disse ele em entrevista no jornal acima citado sobre os embargos infringentes:
“Admiti-los no STF levaria à instalação do moto perpétuo processual”. “Se cada quatro ou cinco votos forem fiéis, a cada julgamento sobrevirão novos embargos e, continuamente, outros mais”. “Sem fim”. “Os embargos de divergência têm sentido nos tribunais estaduais e regionais”. “Na esfera do STF não, pois ele não se curva, não se põe de joelhos para ser sobreposto a si mesmo”.
O STF se pôs de joelhos e pôs a Nação de joelhos diante do PT e do Foro de São Paulo, pois reforçou ainda mais o Executivo. Já o Legislativo é o que se conhece, facilmente comprável.
Em recente e magistral texto, baseado na mídia internacional, Francisco Vianna cita uma recente publicação do The Wall Street Journal, sobre os rumos do Brasil, que vale a pena repetir:
“Tais rumos são os que enveredam pelos escuros antros da corrupção sistêmica do Estado e de suas relações público-privadas, estimuladas por um sistema judicial cooptado, pelo Executivo que garante uma impunidade geral e irrestrita aos corruptos e corruptores”. “Também, por todas as medidas socialistas de desconstrução por intuscepção da democracia do mérito (a partir de dentro dela própria), através do favorecimento do crime organizado (privado e estatal), pela anulação do sistema legislativo mantido a peso de ouro e legislando em causa própria, com uma oposição de faz de conta, e por uma infraestrutura que não atende ao nível de produção do país”.
Depois de falar grosso na ONU afrontando os Estados Unidos, contraditoriamente a presidente Rousseff foi implorar ajuda da elite e do capitalismo norte-americanos e internacional. O governo petista não percebeu ainda que os idiotas somos apenas nós, público interno, e que sua escolha é mais do que evidente. Não interessa a democracia, a liberdade, a prosperidade. A Nova Ordem Petista nos vincula à China, à Rússia, aos piores ditadores mundiais e às aberrações latino-americanas como Cuba, Venezuela e outros antros antiamericanos.
Como poder reforçado no Executivo o PT deve agradecer aos seis ministros que livraram seus asseclas das penas maiores. Principalmente, agradecer ao ministro Celso de Mello que reafirmou o já sabido: no Brasil e justiça não vale nada, vale ter dinheiro e ótimos advogados.
Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.

Juntos Somos Fortes!

domingo, 29 de setembro de 2013

GOVERNO CABRAL QUE ATACA PROFESSORES, ATACOU TAMBÉM OS BOMBEIROS E FAMILIARES

O governo Cabral que hoje ataca, mais uma vez, os profissionais da educação, atacou em 2011 os Bombeiros, esposas e filhos.


Juntos Somos Fortes!

UMA HOMENAGEM AOS PROFESSORES MASSACRADOS PELO GOVERNO CABRAL


Vídeo de Dalva Santos (Maranhão).
Juntos Somos Fortes!

GOVERNO CABRAL-BELTRAME AGRIDE PROFESSORES

Cabral e Beltrame estão destruindo a Polícia Militar.
Juntos Somos Fortes!

INSEGURANÇA NAS RUAS, UM EFEITO DAS UPPs

Eu criei o meu primeiro blog em 2007, isso no auge da luta dos "Coronéis Barbonos" e dos "40 da Evaristo" para tentar salvar a Polícia Militar, sendo utilizado como uma ferramenta de divulgação da mobilização através da internet. Na época os movimentos foram combatidos pelo governo que respondeu com uma série de represálias contra os Oficiais e Praças mobilizados em defesa da corporação, mas o blog foi um grande sucesso durante muito tempo, servindo como base e motivação para a criação de outros blogs sobre temas específicos. O atual blog é uma extensão do primeiro.
No espaço democrático da internet eu fui um dos pioneiros, talvez o primeiro a apresentar as contra-indicações das famosas Unidades de Polícia Militar (UPPs). Eu fui durante muito tempo a voz dissonante, pois todos e todas aplaudiam o projeto implementado. Confesso, a posição foi muito desconfortável durante muito tempo. Alguns chegaram a afirmar que eu era contra apenas por ser contra o governo Cabral e por ser filiado a um partido de oposição. Ledo e cruel engano. Após a eleição de 2010, reeleito Sérgio Cabral, alguns órgãos da imprensa começaram a notificar alguns dos problemas que envolviam as UPPs, antes imaculadas, mas com muito cuidado. Falar mal sobre as UPPs era politicamente incorreto.
Abro um parêntese para esclarecer aos que não conhecem meus textos anteriores que nunca fui contra a implantação de policiamento nas comunidades, muito pelo contrário, esse é o caminho, mas sempre fui contrário à forma como o projeto foi operacionalizado, algo que considero desastroso para a população e para a própria Polícia Militar, como já comprovei em várias postagens.
O tempo foi passando e as notícias sobre os efeitos colaterais das UPPs foram se multiplicando na imprensa, embora a quase totalidade das notícias não faça vínculo entre as UPPs e os fatos noticiados.
Hoje, por exemplo, O Globo publica uma matéria sobre o aumento do número de roubo nas ruas (Leiam), onde fala da falta de policiamento nas ruas, mas não fala porque falta policiamento nas ruas, ou seja, não esclarece que existe um efetivo nas UPPs (comunidades) superior ao equivalente ao efetivo de doze batalhões de Polícia Militar.
Prezado leitor, temos mais de 8.500 PMs lotados em UPPs e considerando um efetivo de 700 PMs por batalhão, basta fazer a conta.
Para que você possa avaliar a diferença que esse efetivo varia nas ruas em termos de segurança pública através do policiamento ostensivo, lembro que na Capital do Rio de Janeiro temos: 1o BPM, 2o BPM, 3o BPM, 4o BPM, 5o BPM, 6o BPM, 9o BPM, 14o BPM, 16o BPM, 17o BPM, 18o BPM, 19o BPM, 22o BPM e 23o BPM. Um total de quatorze BPMs para policiar toda a Capital, sendo que muitos deles não possuem um efetivo de 700 PMs prontos para escalar, a média que estabelecemos.
Na prática o efetivo das UPPs se fosse aplicado nos batalhões significaria praticamente dobrar o policiamento nas ruas, o que traria mais segurança, inclusive no entorno das comunidades. Eis a verdade. 
O que seria melhor para a população: dobrar o efetivo dos batalhões ou colocar 8.500 PMs nas comunidades?
Recompletar o efetivo dos batalhões da Polícia Militar de todo o estado do Rio de Janeiro ou colocar 8.500 PMs nas comunidades?
Faça a sua avaliação.
O Globo não divulgou, mas eu divulgo há muito tempo que o não recompletamento dos efetivos dos batalhões, colocando todos os novos PMs nas UPPs, esvaziou as ruas de policiamento ostensivo, o que fez crescer a insegurança pública. Nem mesmo o esforço dos PMs que estão trabalhando nas suas folgas tem sido suficiente para diminuir a insegurança das ruas.
Juntos Somos Fortes!

sábado, 28 de setembro de 2013

RIO: PROFESSORES, ALUNOS E RESPONSÁVEIS CONVIDAM VOCÊ


O Brasil é um país que fracassou, não deu certo, isso é fato.
As causas do nosso infortúnio são inúmeras, mas todos e todas sabemos que a única saída para a construção do país de verdade é a EDUCAÇÃO. Tal realidade nos conduz a um novo problema: como salvar o país através da EDUCAÇÃO se ela foi destruída quase que por completo pelos maus governantes?
No Rio de Janeiro os professores da rede estadual e municipal têm desenvolvido atos populares, organizados, ordeiros e pacíficos, na luta pelos seus direitos. Eles e elas nos presenteiam como uma aula de cidadania nas ruas da nossa cidade "maravilhosa".
Penso que reside exatamente nesse ponto o modo da EDUCAÇÃO construir o novo Brasil, indo para as ruas exercitando e ensinando cidadania. O exemplo é a única maneira de ensinar.
No vídeo feito por uma mãe de aluno encontramos o grande elemento catalisador desse processo: a união dos EDUCADORES, RESPONSÁVEIS E ALUNOS.
A presença deles nas ruas aos milhares, atuando de forma ordeira e pacífica, trará o povo de volta, povo que foi afugentado através da violência de pequenos grupos e da incapacidade dos governantes de reprimir esses grupelhos e de garantir ao povo o direito de se manifestar nas ruas. A violência apoiou os maus governantes.
Sejam bem-vindos e bem-vindas, encham as ruas de educadores, responsáveis e alunos.
Eis a fórmula da EDUCAÇÃO mudar o Brasil.
A sala de aula é a rua.
Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

CADÊ AMARILDO? - POLICIAIS MILITARES PODERÃO SER PRESOS

"O ESTADÃO 
PMs envolvidos no caso Amarildo serão indiciados 
Delegado deve anunciar nesta sexta o fim do inquérito e pedido das prisões de agentes da UPP da Rocinha
Marcelo Gomes 
Após mais de dois meses de investigações, a Polícia Civil do Rio vai indiciar e pedir a prisão de policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Favela da Rocinha, em São Conrado, zona sul do Rio, pelo sumiço de Amarildo de Souza, de 43 anos. Está descartada a hipótese de que o pedreiro tenha sido capturado e morto por traficantes (Leia a matéria)".
Prezados leitores, os PMs serão indiciados e poderão ser presos em face do desaparecimento de Amarildo, será que alguém esperava outro desfecho?
No Rio de Janeiro existe um hábito de tornar público os inquéritos policiais, sobretudo por meio de entrevistas, quando são comentados os procedimentos realizados e os passos futuros para a apuração dos fatos. Não tem sido diferente com o caso Amarildo. Tal prática, justificada pela necessidade de esclarecer a opinião pública, salvo melhor juízo, além de ser incorreta, acaba reforçando a pressão por resultados, algo extremamente danoso para o esclarecimento da verdade e que se constitui em grande risco para a responsabilização de inocentes.
A matéria indica que foi descartada na investigação a possibilidade de Amarildo ter sido capturado e morto por traficantes, mas não revela o que levou a tal descarte, o que talvez só saberemos em uma próxima entrevista sobre o caso. O que todos sabem é que Amarildo foi abordado e conduzindo por Policiais Militares, a imprensa já divulgou isso exaustivamente. A imprensa divulgou ainda que testemunhas alegaram terem sido coagidas por policiais para mentirem. Será que foram coagidas antes ou foram coagidas agora? Será que mentiram antes ou mentem agora? Perguntas sem resposta.
Uma investigação policial não pode ser feita sob pressão política, isso dificulta a busca da verdade sobre os fatos, o objetivo do inquérito policial.
Será que surgiram robustos indícios que os PMs mataram e sumiram com o corpo de Amarildo para justificar o indiciamento e a prisão? 
Isso a imprensa também ainda não divulgou.
Longe de fazer um juízo de valor sobre a investigação que desconheço, longe de querer defender os PMs, lembro apenas de uma máxima que sempre circulou nos quartéis:
"Prender PMs é a coisa mais fácil do mundo".
Juntos Somos Fortes!

UPPs: POPULAÇÃO PREJUDICADA PELA FALTA DE EFETIVO NOS BATALHÕES

Prezados leitores, como escrevo há anos,  o projeto de implantação de UPPs na Capital tem impedido o recompletamento do efetivo dos batalhões da Polícia Militar de todo estado do Rio de Janeiro. Isso se deve ao fato de nos últimos anos os Soldados formados no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças serem encaminhados quase que na sua totalidade para as UPPs. Hoje temos comunidades super policiadas e ruas órfãs do indispensável policiamento ostensivo.
Honesta e corajosa a postura do comandante do 9o BPM, quando trata da falta de efetivo, uma demonstração de respeito à população.
JORNAL O DIA: 
Sem efetivo para combater traficantes em guerra 
Comandante do 9º BPM (Rocha Miranda) admite que não tem como acabar com o atual confronto nos morros da Serrinha, Cajueiro e Juramento 
FLAVIO ARAÚJO Rio - O tiroteio que assombrou moradores de Madureira na noite de terça não foi suficiente para a Polícia Militar mobilizar mais recursos e proteger quem mora na região. O comandante do 9º BPM (Rocha Miranda), tenente-coronel Miguel Ramos, admite que não tem efetivo para acabar com a guerra do tráfico nos morros da Serrinha, Cajueiro e Juramento, pois não tem como fazer operação nas comunidades para prender traficantes (Leia a matéria).
Juntos Somos Fortes!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

RIO: GRAVES DENÚNCIAS CONTRA GESTÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA

A Revista Veja publica na edição dessa semana uma matéria muito interessante sobre a segurança pública no Rio de Janeiro. Penso que seja um texto imperdível para quem mora no estado do Rio de Janeiro e para os ditos especialistas em segurança pública. A matéria é de Leslie Leitão (páginas 88 e 89) e merece todos os elogios, sobretudo por tocar em tema tão sensível: as milícias.
O título é "Liga do Mal" e o subtítulo carrega nas entrelinhas uma denúncia contra a secretária de segurança pública (SESEG/RJ), embora cite a polícia como responsável, quando na verdade a postura omissiva é da SESEG/RJ:
"Relatório obtido por VEJA mostra que a polícia deixou um naco inteiro do Rio sob o domínio de Batman, o chefão da maior e mais poderosa milícia do país".
Citando dois temas abordados, a matéria traz dados assustadores sobre o emprego do efetivo policial e sobre o crescimento dos homicídios na Baixada Fluminense, uma das regiões do estado que mais sofreu com a transferência dos traficantes para implantação das UPPs na Capital pela secretaria de segurança pública.
Pesquisando na internet achei o texto da Veja transcrito no blog Brasil Soberano e Livre.
Leiam é esclarecedor (Link).
Parabéns Revista Veja!
Parabéns Leslie Leitão!
Juntos Somos Fortes!

RIO: PROFESSORES OCUPAM PREFEITURA


Juntos Somos Fortes!

LINDBERGH QUER MANTER BELTRAME

Prezados leitores, o jornal O Globo publica nessa 3a feira matéria dando conta que o pré-candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro, senador Lindbergh Farias (PT) gostaria de manter como secretário de segurança o delegado de Polícia Federal José Mariano Beltrame (Leia a matéria).
As UPPs e o secretário Beltrame têm uma aceitação popular muito grande, nada mais natural do que o candidato do PT tentar colar seu nome. É o vale tudo eleitoral, onde o importante são os votos alcançados.
Eu só não sei como a população da Baixada Fluminense, reduto eleitoral do senador Lindbergh, irá interpretar essa declaração, tendo em vista que a Baixada foi uma das regiões do estado mais prejudicadas com a implantação das UPPs na Capital.
Vamos aguardar.
Juntos Somos Fortes!


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

RIO: INVADIRAM A SEDE DO GOVERNO CABRAL

Jornal do Brasil 
Governo do Rio condena invasão ao Palácio Guanabara 
Rio de Janeiro – Manifestantes invadiram na madrugada de hoje (22) a entrada principal e as escadarias do Palácio Guanabara, sede do governo fluminense. Segundo nota do governo do estado, cerca de 60 pessoas participaram da ocupação, que durou 15 minutos. 
Ainda segundo as informações oficiais 15 pessoas chegaram a arrombar uma das portas e invadir o Salão Nobre, que fica no segundo andar do prédio. Os próprios manifestantes se retiraram depois da breve invasão, repudiada pelo governo do estado. 
Não foram registrados danos ao Salão Nobre mas a Polícia Civil fez uma perícia no local logo depois do caso ter sido registrado na Delegacia do Catete, responsável pela área. Segundo o governo do estado, os invasores serão criminalmente responsabilizados.
Juntos Somos Fortes!

A GUERRILHA ESTÁ DE VOLTA AO BRASIL?

Prezados leitores, leiam a reportagem da Revista Isto É e tirem as suas conclusões:
"O Brasil tem Guerrilha" (Leia).
Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

BRASIL: A CRIMINALIDADE, A SELEÇÃO NATURAL E A ESPÉCIE VENCEDORA

Prezado leitor, eu me sinto cercado pelo crime no Brasil, penso que você tenha idêntica sensação. Escrevo isso considerando não só os crimes visíveis e violentos praticados pelos descamisados nas ruas, os quais de arma em punho tomam para si nossos bens materiais e ceifam nossas vidas. Levo em conta também os crimes praticados pessoas que vestem ternos e taiers finamente recordados, pessoas acima de qualquer suspeita, as quais possuem uma preferência pela subtração do dinheiro público.
A criminalidade que vivenciamos no Brasil do século XXI me remete de volta aos bancos escolares na busca por explicações que possam permitir o alcance das soluções inadiáveis para controlar o fenômeno.
Primeiro lembro-me da teoria da geração espontânea, o vivo surgido do não vivo. No nosso pais continente parece que os criminosos surgem do nada, tamanha a quantidade de pessoas envolvidas nas mais diversas maneiras de praticar crimes. Na mitologia grega encontramos referência a ideia  mas tal teoria foi superada e não serve para explicar a criminalidade. Os nossos criminosos não surgem ao acaso, embora surjam a todo tempo e em todos os lugares, como se fossem criados espontaneamente.
Recordo-me do criminologista italiano Cesare Lombroso, ele que lançou a ideia do criminoso nato, isso no seu livro “O Homem Delinquente” no século XIX. Em apertada síntese, Lombroso acreditava que o mal era hereditário, alguns seres humanos nasciam com o mal na sua carga genética. Uma espécie de degeneração. Além disso, acreditava que certas características físicas indicavam o indivíduo propenso a ser criminoso. O tempo passou e ele ficou no passado com suas teorias sobre a presença do instinto criminoso no genótipo e exteriorizada no fenótipo dos seus criminosos em potencial.
Apesar dessas verdades, penso que se formos benevolentes com Lombroso, diante da crescente criminalidade brasileira, podemos criar uma hipótese para a sua origem se pegarmos emprestado a seleção natural de Charles Darwin. Um naturalista inglês que escreveu o livro “A Origem das Espécies”, ainda no século XIX, onde explicou a seleção natural. Extraindo apenas uma pequena parcela dos ensinamentos de Darwin, cito o fato de que indivíduos melhor adaptados ao meio ambiente em decorrência da sua carga genética possuem maior capacidade se sobreviver e de gerar descendentes, transmitindo suas características.
Pegando o criminoso nato de Lombroso (propensão para o crime instalada na sua carga genética), associando à seleção natural de Darwin (a sobrevivência dos mais adaptados ao meio) e, finalmente, adicionando o meio ambiente brasileiro, onde quem pratica crime acaba prosperando através da impunidade, podemos estabelecer uma possibilidade:
“No Brasil a explicação para temos tantos criminosos pode estar na possibilidade de que parcela de nós possua uma propensão genética para o crime, característica essa que se mostra vitoriosa no nosso meio ambiente, onde o crime prolifera, sendo então transmitida para os descendentes, o que determinaria o aumento do número de criminosos”.
No Brasil, a seleção natural pode estar mostrando que os criminosos são a espécie vencedora!
Juntos Somos Fortes!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

UPPs - EXEMPLO DE EFEITO NEGATIVO

Prezados leitores, eis um exemplo do erro de priorizar as comunidades com milhares de Policiais Militares (UPPs), deixando as ruas sem o policiamento adequado por falta de efetivo nos batalhões:
O Globo
Com favelas pacificadas, Tijuca sofre com assaltos no asfalto
Número de roubos de celulares subiu 141% de 2012 para este ano
Ana Cláudia Costa

RIO - Cercados por seis comunidades pacificadas, moradores da Tijuca não convivem mais com barulhos de tiros, mas voltaram a sofrer com assaltos e furtos no asfalto. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontam um aumento de até 141% nos registros de crimes contra o patrimônio, na comparação do trimestre de maio, junho e julho de 2012 com o mesmo período deste ano. O principal alvo dos bandidos é o celular: no trimestre em questão, foram 24 aparelhos roubados em 2012; este ano, foram 58 (mais 141%). O número de assaltos a transeuntes também subiu: foram 188 registros em maio, junho e julho do ano passado, contra 235 no mesmo período de 2013 (um acréscimo de 25%).

Juntos Somos Fortes!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

UPPs: UM PROJETO INSUSTENTÁVEL

Uma verdade tem sido esquecida por boa parte da imprensa e dos especialistas em segurança: o Rio de Janeiro é um estado e contém entre os seus noventa e dois municípios, uma Capital que possui nome idêntico ao estado, ou seja, Rio de Janeiro. Tal lembrança pode ser considerada uma tolice para o leitor apressado, a ele peço paciência. Ela é relevante principalmente tendo em vista que em termos de segurança pública a maioria tem confundido o todo pela parte, uma metonímia, sobretudo no tema Unidades de Polícia Pacificadora, as famosas UPPs, que consideram um benefício enorme para o Rio de Janeiro.
As UPPs são um projeto de segurança pública claramente municipal, como a prática demonstrou de forma inequívoca, considerando que após cinco anos de existência, foram implantadas até a presente data um total de trinta e quatro, todas na Capital.
Embora não seja o foco do artigo, não custa lembrar que raros foram os traficantes presos no processo de implantação das UPPs. Eles se dividiram em dois grupos: um que permaneceu na comunidade comercializando drogas sem exibir armas e outro que se transferiu para outras comunidades, inclusive em outros municípios, onde praticam vários crimes. O segundo grupo reforça a tese de que as UPPs são um projeto municipal de segurança. O importante tem sido garantir a segurança da Capital, a partir da Zona Sul. Eis a verdade que os fatos comprovam.
De volta ao tema, destaco parte da entrevista do secretário estadual de segurança pública, o delegado de Polícia Federal Beltrame, concedida ao jornal O Globo, no domingo passado:
“Nossa proposta é que, até o fim do próximo ano, o Rio conte com pelo menos 40 UPPs. Pode ser que a gente avance um pouco mais. A UPP não é a solução de todos os problemas. O projeto é grande, audacioso. Hoje, temos 8.592 PMs dentro de 34 áreas historicamente conflagradas. Os problemas vão existir. A ideia é chegar a mais de 12 mil policiais” (Leia).
Usando os números do secretário concluímos que temos uma média de 250 Policiais Militares por UPP. Apenas para permitir o avanço do raciocínio, vamos estimar que um Batalhão de Polícia Militar possui o efetivo de PMs prontos para o serviço equivalente ao efetivo de três UPPs, ou seja, 750 homens. Na realidade a maioria dos batalhões possui um efetivo menor.
Números para lá, números para cá, temos nas 34 UPPs instaladas nas comunidades um efetivo total equivalente ao efetivo estimado de mais de dez Batalhões de Polícia Militar.
Caro leitor, sugiro uma reflexão: o efetivo desses mais de dez batalhões, empregados apenas em comunidades da Capital, está fazendo falta nas ruas do Estado do Rio de Janeiro?  
Não existe mais qualquer dúvida: a implantação de policiamento nas comunidades carentes foi um acerto, a maneira empregada um grande erro. A colocação de milhares e milhares de PMs em comunidades da Capital, não recompletando os efetivos dos batalhões, efetivos que deveriam ser aumentados na verdade, foi um grande erro estratégico.
Trocou-se o todo pela parte, prejudicando noventa e um dos noventa e dois municípios que integram o Estado do Rio de Janeiro.
Além disso, para atender ao projeto municipal de segurança a Polícia Militar foi obrigada a transformar o seu Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças em uma fábrica de produzir Soldados PM para integrar as UPPs. A quantidade pela qualidade foi outra troca cruel para a Polícia Militar e para a população.
O projeto é insustentável, não se pode manter tamanho absurdo estratégico em termos de política de segurança publica estadual. Um projeto que pode até ser considerado elitista, diante da prioridade no atendimento à Zona Sul da Capital, a área nobre.
O atual governo seguirá implantando UPPs e recebendo aplausos da imprensa e de especialistas até o final de 2014.
As atuais UPPs não serão extintas, por razões políticas não poderão ser, mas terão seus efetivos severamente reduzidos no futuro, caso o novo mandatário estabeleça uma política estadual para a segurança pública. Caso ele enxergue que existem o município e o estado do Rio de Janeiro, homônimos, mas o segundo contém o primeiro.
O saldo para o governo Cabral será positivo por algum tempo, isso enquanto as verdades sobre as UPPs não forem ditas por todos e não chegarem ao conhecimento de todos.
O saldo para a Polícia Militar?
Uma tropa agigantada, desqualificada e desvalorizada.
O saldo para a população?
A violência que enfrentamos atualmente nas ruas é a melhor resposta.
Juntos Somos Fortes!

POLICIAIS CIVIS CRITICAM DURAMENTE O SECRETÁRIO BELTRAME

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (SINDPOL-RJ) emitiu nota de repúdio com relação às declarações do secretário de segurança Beltrame contidas em entrevista concedida por ele ao Jornal O Globo (link), quando tratou do ingresso da Polícia Civil no projeto das Unidades de Polícia Pacificadoira (UPPs).
As declarações foram consideradas "lamentáveis, preconceituosas e contraditórias".
Leia a nota de repúdio (link).
Juntos Somos Fortes!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

A MAIOR VAIA DADA EM POLÍTICOS NO BRASIL

A notícia não é nova: a presidente Dilma (PT) quer o governador Sérgio Cabral (PMDB) no seu ministério (Leia).
O Estadão traz de volta essa possibilidade a qual somada ao anúncio do governador de deixar o Palácio Guanabara nos próximos meses, torna a hipótese perto de se tornar realidade.
A notícia dá conta que Dilma pretende não perder o palanque no Rio de Janeiro, daí a intenção de colocar Cabral no seu primeiro escalão.
Resta saber se em 2014 a presidente Dilma estará ao lado do governador Sérgio Cabral nos palanques que pretende montar no Rio de Janeiro. Se isso ocorrer, considerando as vaias que os dois recebem rotineiramente, teremos uma demonstração de coragem por parte deles, diante da possibilidade de ocorrer a maior vaia direcionada a políticos na história do Brasil, muito maior que a recebida por Lula (PT) em pleno Maracanã.
Juntos Somos Fortes!

SIMPLES, O BRASIL NÃO É UMA DEMOCRACIA

Simples!
Considerando que democracia é uma forma de governo.
Considerando que democracia é uma forma de governo que deve ser direcionada para a promoção do bem estar do povo.
Considerando as ações dos governantes brasileiros.
O Brasil não pode ser considerado uma democracia.
Simples!
Juntos Somos Fortes!

domingo, 15 de setembro de 2013

POLÍCIA CIVIL CONSEGUE INGRESSAR NAS UPPs

A Chefe da Polícia Civil, Delegada Martha Rocha, acabou de marcar um gol de placa, ao conseguir o ingresso da instituição no projeto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Um desejo antigo dos que integraram a cúpula da Polícia Civil desde o início do sucesso midiático das UPPs, finalmente alcançado na sua gestão.
Em junho ela já sinalizava, conforme matéria do G1:
"Durante a inauguração da Unidade de Polícia Pacificadora do Cerro-Corá, a chefe de Polícia Civil, delegada Martha Rocha, disse que vai trazer projetos para serem desenvolvidos na comunidade. "Eu quero instalar aqui o Programa de Integração de Metas com o objetivo de integrar a PM e a Polícia Civil. As ações em conjunto fazem com que nós consigamos os resultados", afirmou a delegada" (Leia).
Bem antes disso, no dia 21 de fevereiro, o jornal O Globo publicou matéria apoiando a entrada da instituição no projeto, na qual especialistas defendiam a presença da Polícia Civil nas UPPs: 
"Ataques na Mangueira expõem necessidade de Polícia Civil atuar nas UPPs, dizem especialistas" (Leia).
Ao anunciar o ingresso através da entrevista publicada nesse domingo no Jornal O Globo, o secretário Beltrame declarou entre outras coisa que: 
"É certo que essas delegacias não funcionarão em contêineres, como aconteceu com a PM" (Leia). 
A afirmação deixa claro a valorização dos Policiais Civis, considerando que até hoje, cinco anos após a implantação do projeto das UPPs, Policiais Militares continuam "acondicionados" em contêineres".
Uma conquista da Polícia Civil, sem dúvida. 
Além disso, o anúncio criou um fato jornalístico, será tema de várias reportagens e servirá para tentar oxigenar a parte midiática do projeto das UPPs que se achava em queda livre após os problemas apresentados em algumas comunidades. Aliás, a nomeação da Major PM Priscila para comandar a UPP da Rocinha, foi o primeiro passo para tentar colocar novamente as UPPs no lado bom das manchetes da mídia, como na reportagem da Revista Veja (Leia).
Na política a regra é clara: Quando as coisas vão mal, crie um fato novo para desviar a atenção.
Juntos Somos Fortes!

POLICIAIS MILITARES EXPOSTOS AO RISCO

Jornal o Estado de São Paulo 
Foram divulgados dados como telefones e endereços dos policiais militares 
Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo 
RIO - O site da Polícia Militar do Rio de Janeiro foi atacado por hackers e informações pessoais de 50 mil policiais foram divulgadas na noite de sábado, 14. 
A assessoria da PM informou que, por segurança, o site está fora do ar neste domingo, 15, e que já foi aberta uma investigação para descobrir os responsáveis. Foram divulgadas informações como telefones e endereços dos policiais militares. 
Juntos Somos Fortes!

sábado, 14 de setembro de 2013

SECRETÁRIO BELTRAME NÃO SERÁ CANDIDATO

A mídia vinha noticiando nos últimos meses que o PMDB sonhava que o secretário de segurança, o delegado de Polícia Federal Beltrame, fizesse parte da chapa do vice Pezão, político escolhido pelo governador Sérgio Cabral para ocupar a cadeira do Palácio Guanabara, após sua saída. Inúmeras matérias foram escritas sobre a força política do secretário, força que alavancaria a candidatura do atual vice, que parece não sair do lugar. A animação era tanta que houve quem arriscasse que Beltrame poderia ser o cabeça da chapa e não o candidato à vice.
No meio do sonho surgiu o pesadelo dos protestos nas ruas, sobretudo no mês de junho, quando mais de 300 mil pessoas protestaram nas ruas do Rio de Janeiro, tendo como um dos alvos o governador Sérgio Cabral. O governador seguiu sendo massacrado nos protestos e a popularidade despencou, perdendo parte do apoio da imprensa, o qual era antes quase incondicional.
Os protestos expuseram também a fragilidade da gestão da segurança pública no Rio, considerando que a secretaria de segurança não conseguiu garantir o direito de manifestação e não prendeu os criminosos que praticaram vandalismo, ato após ato, isso até expulsar o povo ordeiro das ruas, com a  colaboração dos excessos praticados pela polícia. O "tiro, porrada e bomba" se fez presente nas ruas do Centro e da Zona Sul, como se faz presente nas comunidades carentes.
Se não bastassem esses fatos negativos, o enfraquecimento do governo junto à mídia contribuiu para a diminuição da blindagem das UPPs, carro-chefe da gestão Beltrame, causando maior exposição dos problemas que ocorrem nas comunidades. O desaparecimento de Amarildo virou um martírio para o governo, uma pergunta sem resposta que se repete diariamente. 
Diante desse quadro de extremo desgaste, o secretário optou por se resguardar, sair do cenário, mas antes exonerou o Comandante Geral da Polícia Militar, o quarto de sua gestão, midiaticamente empurrando as culpas para o andar de baixo. Igual destino teve o comandante da UPP da Rocinha. Na política a regra é clara: se o fato é positivo, repercuta, apareça e fature com o sucesso; se o fato é negativo, não dê entrevistas  e se afaste do fracasso.
O colunista Ancelmo Gois publica neste sábado nota dando como certo que o secretário Beltrame não se filiará a nenhum partido político (Leia), portanto, não poderá se candidatar em 2014. 
O tempo dirá se a matéria é verdadeira ou não, pois o prazo final para filiação se aproxima rápido. Caso Ancelmo Gois esteja certo, penso que podemos afirmar que a verdade das ruas destruiu a imagem que a imprensa construiu.
Juntos Somos Fortes!

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

DILMA, CABRAL E PAES, AS VAIAS COMO COMPANHEIRAS

Dilma, Cabral e Paes são vaiados em todos os lugares...

 

 Juntos Somos Fortes!

PMs ESTARIAM PAGANDO CONSERTOS DAS VIATURAS

Eu já publiquei diversos artigos nesse espaço democrático explicando a realidade sobre a propalada terceirização da frota da PMERJ, algo que o governo Sérgio Cabral alardeia até nas propagandas políticas, onde uma falsa realidade é jogada no colo da população.
Ontem, o Jornal Extra revelou alguns dos muitos problemas.
JORNAL EXTRA: 
Sem seguro, viaturas doadas por Eike Batista às UPPs só são consertadas com dinheiro dos policiais. 
(...) 
— Se quisermos voltar a circular com o carro, nós mesmos é que temos que pagar o conserto. Às vezes, o valor é alto e não dá. Por isso, há muita viatura parada em todas as UPPs — conta o PM. 
(...) 
Leia a matéria (clique).
Em breve republicarei as verdades sobre essa terceirização, as quais já comuniquei ao Ministério Público.
Juntos Somos Fortes!

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

ONDE ESTÁ AMARILDO?

No Rio de janeiro, o sumiço de um ajudante de pedreiro está “tocando horror” em toda a bela Cidade Maravilhosa. 
“Foi a PM, não foi”, e as opiniões, apesar de divergentes lamentam o desaparecimento de Amarildo. 
A celeuma e as indagações são tantas, que tal balbúrdia poderia ser equiparada, caso a Dilma não seja reeleita. 
Pouco se sabe do Amarildo, só que sumiu de mãos dadas com policiais militares. 
As investigações estão sendo minuciosas e em breve será descoberto ou escalado um culpado, doa a quem doer. Nós, de nossa profunda caverna, lamentamos, pois talvez o Amarildo possa ser o símbolo de um cidadão que foi escafedido e, com isto, vemos que qualquer um pode ser vítima de algum sequestro de eterna duração. 
Lamentamos, mas já estamos acostumados, pois sem desmerecer o Amarildo, vimos, ou melhor, não vimos o sumiço da dignidade, o desaparecimento da justiça e a desmoralização de outras figuras de importância para quem tem um mínimo de vergonha na cara. 
Quando meditamos a respeito de quem poderia escamotear de nossas vistas valores tão caros para a existência de uma sociedade, como a honestidade, a firmeza moral e o pudor, para muitos da esquerda vem logo uma resposta – foram os americanos. 
Depois da descoberta que a inteligência dos EUA vinha espionando a presidente, a Petrobras, o pré - sal e as nossas entranhas, ficou mais nítido para os antiamericanistas, que de alguma forma, para retirar a fibra dos nativos, eles levaram o nosso senso, a nossa vergonha e a nossa cidadania. 
E tem dado certo, pois nos últimos doze anos, período favorável para os países do BRIC, infelizmente, para a nossa Pátria, praticamente, foi perdido. 
Lastimavelmente, continuamos na rabeira de muitas nações, embora com orgulho, por nos destacarmos entre os piores. 
Sim, o Brasil é tão grande, tão magnífico que por tudo, detém a inveja de gregos, troianos, e todo o mundo sabe, dos americanos de olhos azuis. 
Brasília, DF, 10 de setembro de 2013. 
Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

O BIZARRO SISTEMA POLICIAL BRASILEIRO E O FIM DAS POLÍCIAS MILITARES

A insegurança que o brasileiro vivencia em cada esquina é a comprovação prática da ineficiência do sistema policial. Tal verdade tem feito que ao longo dos anos tenham sido levantadas vozes que pregam mudanças na polícia, algumas delas transformadas em propostas de emendas à constituição federal (PECs), algumas das quais tramitam há anos no Congresso, ganhando ou perdendo força em face dos diferentes interesses corporativos.
O atual sistema é bizarro e ineficiente, todos devem concordar. Não conheço nenhum outro país que utilize sistema policial idêntico ao nosso. Temos polícias federais e estaduais, tosa deficientes no cumprimento de suas missões. Além disso, as estaduais (PMs e PCs) são polícias pela metade, não realizam o ciclo completo de polícia, algo que só existe no Brasil e que beira o inacreditável, pois isso contribui sobremaneira para a ineficiência. Portanto, mudar é imprescindível e urgente, isso é fato.
Em termos de mudanças, o tema mais recorrente é a desmilitarização das Polícias Militares (PMs) e a consequente incorporação dos seus efetivos às Polícias Civis (PCs), embora esse segundo momento não seja claramente explicitado.
Os protestos trouxeram esse tema para as ruas, alimentado pela forma com as Polícias Militares tem atuado na repressão aos protestos, demonstrando inúmeras vezes um emprego excessivo de violência e de recursos para controle dos distúrbios, como os agentes químicos e as armas não letais.
Ao longo desse período de protestos populares as Polícias Militares têm exposto as suas mazelas, sobretudo a não qualificação adequada, problema que possui várias causas, sendo a principal a desvalorização dos Policiais Militares por parte dos governantes.
As Polícias Militares como polícias ostensivas, responsáveis pela preservação da ordem, são a parte do sistema mais visível nas ruas, o braço armado do governo para controlar o povo, como muitos gostam de apregoar. Nas ruas os Policiais Militares passaram a ser os representantes dos governos que o povo quer retirar dos seus luxuosos gabinetes. Os PMs simbolizam os inimigos, isso é fato. Situação muito semelhante a vivida nos governos militares.
Enquanto isso, as Polícias Civis também demonstraram a sua ineficiência na investigação e apresentação ao Poder Judiciário dos milhares de vândalos que se aproveitaram dos protestos para promoverem danos e saques por todo o Brasil. A diferença é que a ineficiência das Polícias Civis não ganha repercussão na mídia, embora se materialize claramente no número limitadíssimo de prisões e na perpetuação dos atos de vandalismo, pois soltos os criminosos continuam a agir, isso é lógico.
No Rio a situação contrária às Polícias Militares ganhou contornos de grande relevância, pois os detidos pela PM sempre foram muito bem tratados nas delegacias da Polícia Civil, como os próprios faziam questão de expressar nas entrevistas após a liberação. Obviamente, o tratamento adequado nas delegacias deve ser aplaudido, mas isso foi lido como um contraponto. Uma polícia fazia a detenção, reprimia com cassetetes, balas de borracha e gases, enquanto a outra ouvia, tratava bem e liberava (não prendia).
Em apertada síntese: uma polícia é ruim, a outra é boa.
Qual o povo quer?
Ouça quem tiver ouvidos para ouvir: o caldo de cultura estabelecido é amplamente favorável à extinção das Polícias Militares, sobre isso não tenho dúvida.

Juntos Somos Fortes!

GOVERNO CABRAL: MINISTÉRIO PÚBLICO NÃO DIVULGOU INVESTIGAÇÃO SOBRE USO DE HELICÓPTEROS



Juntos Somos Fortes!

domingo, 8 de setembro de 2013

AS CAUSAS DO FIASCO DOS PROTESTOS NO SETE DE SETEMBRO

O povo brasileiro parecia ter despertado de uma longa hibernação quando as ruas começaram a ser ocupadas pela população, isso no mês de junho. Centenas aqui, milhares ali, o povo ia enchendo as ruas do Brasil de cidadania, dia após dia. O movimento parecia crescer geometricamente, tanto no número de manifestantes, quanto na quantidade de cidades onde ocorriam os protestos.
Quem não lembra dos 300.000 manifestantes no Rio de Janeiro?
Os maus governantes batiam cabeças, não sabiam o que fazer para deter o avanço do movimento popular, isso ficou evidente.
Nesse cenário amplamente favorável ao povo e contrário aos maus políticos, nesse momento no qual poderíamos alcançar grandes conquistas para mudar o país, surgiram dois grupos que esvaziaram as ruas e praticamente levaram o povo novamente para o seu berço esplêndido: os mascarados e os gestores da segurança pública. 
Aparentemente, eles estavam em lados opostos, mas na prática acabaram atuando em conjunto para tirar o povo dos protestos, esses que devem ser organizados, ordeiros e pacíficos, como manda a legislação.
E como agiram?
Simultaneamente, os mascarados promoviam a violência, enfrentavam a polícia e realizavam atos de vandalismo, enquanto isso os gestores da segurança pública pelo país não conseguiam garantir o direito de manifestação e nem manter a ordem pública. Todo protesto passou a terminar em violência e vandalismo.
No Rio de Janeiro, por exemplo, a secretaria de segurança se mostrou sempre perdida, sem saber o que fazer para cumprir as suas missões, chegando ao ponto de ser acusada ao mesmo tempo de ser omissa ao não reprimir os atos de vandalismo e de praticar excessos quando atuava na repressão. Caiu o Comandante Geral da Polícia Militar, uma resposta política às críticas, sem dúvida. Mudaram o comandante, mas nada mudou, a secretaria de segurança continuou e continua errando. O caos tem sido completo, o que levou na maioria dos dias seguintes aos protestos, o secretário de segurança Beltrame a optar pelo silêncio.
Ontem, os protestos que reuniriam milhões, acabaram sendo protestos de centenas de pessoas na maioria dos locais onde ocorreram, isso incluindo os mascarados como manifestantes, o que é um erro.
A violência dos mascarados e a incapacidade dos gestores da segurança acabaram formando uma força irresistível que tirou os verdadeiros manifestantes das ruas brasileiras.
Isso não é novidade, escrevo a respeito no twitter ( @celprpaul ) desde junho. Novidade aparecerá caso alguém consiga provar que a união das forças citadas não foi obra do mero acaso, mas sim algo pensado e repensado em algum gabinete.
Juntos Somos Fortes! 

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A IMPLANTAÇÃO DAS UPPs E O AUMENTO DE DESAPARECIDOS E ASSASSINADOS

Os leitores habituais dos nossos blogs sabem há muito que a gestão da segurança pública no Rio de Janeiro concentra esforços e recursos na Capital em detrimento dos outros noventa e um municípios, sobretudo em face da implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), os Grupamentos de Policiamento em Áreas Especiais (GPAEs) agigantados.
Em termos de efetivo isso é muito fácil comprovar, bastando perguntar à PMERJ o efetivo de PMs lotados nas OPMs da Capital (incluindo as UPPs) e o efetivo em cada um dos outros municípios do estado.
No artigo anterior comentamos que o número de desparecidos estava crescendo significamento na gestão do secretário de segurança Beltrame, enquanto o número de homicídios estava diminuindo, conforme matéria do jornal Folha de São Paulo (Leia). Hoje, o jornal O Globo trás reportagem dando conta o número de homicídios aumentou mais de 10% no estado, embora tenha diminuído 1,6% na Capital super policiada, isso comparando o período de janeiro a julho de 2012 com igual período de 2013 (Leia).
O passar do tempo está comprovando o que escrevemos incontáveis vezes sobre o projeto das UPPs (GPAEs).
Diante desse quadro, sugiro uma reflexão:
Por que o projeto das UPPs não começou na Baixada Fluminense, região historicamente mais violenta do estado do Rio de Janeiro?
Hoje, após a instalação de dezenas de UPPs, a Baixada estaria "pacificada".
Pense sobre isso, a minha opinião eu já dei em vários artigos, mas faço questão de reproduzi-la na forma de outro convite à reflexão:
Imagine como estaria a Zona Sul do Rio com a migração dos criminosos da Baixada Fluminense.
Beltrame promoveu o movimento contrário e foi aclamado pela imprensa.
Juntos Somos Fortes!

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

AMARILDO, UMA NOVA VERSÃO PARA PACIFICAÇÃO?

O pedreiro Amarildo, morador da "pacificada" Rocinha, continua desaparecido. Os dias passam e o fato vai perdendo força no noticiário. Fenômeno que se repete rotineiramente no Rio de Janeiro, estado onde o número de desaparecidos tem crescido ao longo do governo Sérgio Cabral.
Cabral assumiu o governo na primeira hora do ano de 2007, quando nomeou para a secretária de segurança, o delegado de Polícia Federal José Mariano Beltrame, o qual permanece até a presente data no exercício da função, tendo nomeado nesse período cinco Comandantes Gerais da Polícia Militar e três Chefes da Polícia Civil, uma rotina de trocas que representa um recorde nacional na área da segurança. Nunca se trocou tanto.
No ano anterior à assunção de Beltrame, o Rio registrou um número absurdo de pessoas desaparecidas: 1.904.
Verdade, na época o viés era de leve queda:
2003 = 2.059.
2004 = 2.020.
2005 = 1.930.
2006 = 1.904.
Uma diminuição pouco superior a 5%.  
Números dignos de uma guerra, sem dúvida.
Após dois anos de manutenção do tiro, porrada e bomba como única "política de segurança" (2007-2008), Beltrame inciou o propalado processo de pacificação no final de 2008 com a transformação do projeto dos Grupamentos de Policiamento em Áreas Especiais (GPAEs) da Polícia Militar em um projeto de governo, adotando um novo nome: Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).
Nascia na Zona Sul a "pacificação" do Rio de Janeiro com apoio maciço da imprensa. Um apoio amplo, geral e irrestrito. Tanto que recentemente, a jornalista Lillian Witte Fibe participando do programa do apresentador Jô Soares, lembrou que era praticamente proibido falar mal na imprensa a respeito das UPPs. Isso é inquestionável. 
O quadro parece estar mudando, as críticas começam a romper a blindagem, o que sinaliza que a verdade está vencendo os interesses políticos e econômicos, finalmente.
Após sete anos de gestão Beltrame ocorreu uma reversão, o número de desaparecidos parou de cair e aumentou assustadoramente. Dados contidos em matéria do jornal Folha de São Paulo (leiam) publicada no dia 14 de agosto, indicam que em 2013 já foram registrados um total de 2.655 desaparecidos.
Caros leitores, um aumento de 40% no número de desaparecidos (1.904 / 2655).
Uma tragédia social.
Quem sabe até o final do ano não teremos alcançado um aumento de 50%, considerando que para isso só faltam mais 200 Amarildos desaparecerem nesses últimos quatro meses.
Verdade, lembra a matéria, o número de homicídios diminui bastante no período Beltrame. Aumentaram os desaparecidos e diminuíram os assassinados, os números indicam.
Será essa a verdade?
Isso me leva a uma reflexão:
Será que o termo pacificação não ganhou um novo sentido?
Um sentido transformador.
Uma "química" que transforma assassinatos em desaparecimentos?
Sugiro a reflexão.
Cadê Amarildo?
Repito a pergunta feita nas ruas.
Juntos Somos Fortes!



terça-feira, 3 de setembro de 2013

A GREVE DOS PROFESSORES É INÓCUA?

Iniciei minha participação em atos cívicos nas ruas do Rio de Janeiro no dia 25 de janeiro de 2008, quando era Coronel PM do serviço ativo e exercia a função de Corregedor Interno da Polícia Militar. O ato foi em defesa da PMERJ e dos Policiais Militares. A partir daquele dia, apesar das incontáveis represálias governamentais, segui participando de dezenas de atos em defesa dos mais variados temas e de diferentes categorias profissionais.
Filho de professor, professor e pai de professor participei de mobilizações dos profissionais da educação pública municipal e estadual, filmando e publicando em meu blog artigos sobre elas.  Portanto, sinto-me bem à vontade para colocar nesse breve artigo um título que pode até parecer ofensivo, diante do grande esforço dispendido pelos manifestantes ao longo dos atos que participei e dos atuais, inclusive o exaustivo acampamento em frente à secretaria estadual de educação (vídeo 2011).
Sim, penso que o movimento grevista seja pouco produtivo e fundamento: Os governantes sempre demonstraram que não possuem qualquer preocupação com a educação do nosso povo, isso não os afeta em nada. Povo não educado é povo sem cidadania. E isso é ótimo para eles. Além disso, usam a greve para colocar a população, sobretudo os responsáveis pelos alunos, contra o movimento.
Apesar de tal argumentação, considero a greve como o único caminho para a construção de uma educação pública de boa qualidade, mas a não a greve dos profissionais de educação, mas a greve dos alunos, os quais devem ocupar as ruas do Rio de Janeiro, ao lado de seus professores e responsáveis, cobrando o direito a ter acesso à cidadania, o direito de ter um futuro digno através da educação.
Os governantes não temem os professores em greve, não temem as reclamações dos responsáveis e não estão nem aí para o futuro da juventude, como já demonstraram em movimentos anteriores realizados nos últimos anos. Isso é fato.
Eles temem é a juventude na rua. A presença constante de milhares de jovens estudantes, agindo de forma ordeira e pacífica, protestando contra os maus governantes e cobrando seus direitos. Todos e todas apoiados pelos seus exemplos: responsáveis e professores.
Fica a ideia.

Juntos Somos Fortes!

UPP DA ROCINHA - A DESPEDIDA DO COMANDANTE

O Major PM Edson Santos foi exonerado do comando da UPP da Rocinha.
Acesse o link e leia o texto do Oficial sobre o seu comando:
Juntos Somos Fortes!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

A MILITARIZAÇÃO DAS POLÍCIAS CIVIS DO BRASIL

Os espasmos cívicos que brotaram em dezenas de cidades brasileiras no mês de junho, levando o povo a se manifestar nas ruas, revelaram que o gigante pode acordar, embora prefira o sono, bem como, demonstraram pela enésima vez como são ineficientes as nossas organizações policiais.
As Polícias Militares demonstraram enorme dificuldade em garantir o direito de livre manifestação popular e maior dificuldade ainda em evitar os atos de vandalismo. Ostensivas, visíveis nas ruas, as Polícias Militares são a parte facilmente identificável da ineficiência dos gestores da segurança pública, esses quase nunca responsabilizados. Paga a polícia presente nas ruas um preço muito alto, sendo acusada de excessos quando age e acusada de omissão quando não reprime e o vandalismo acontece. Os fardados foram ineficientes, isso é verdade.
Tal realidade fez crescer geometricamente os discursos sobre a desmilitarização das Polícias Militares, como se a forma de organização fosse a causa determinante dos erros. O tema desmilitarização é antigo e deve ser discutido, mas não de forma isolada e muito menos oportunista. Não podemos permitir que visões monoculares repercutidas pela imprensa escondam do grande público que a ineficiência das Polícias Militares nos protestos possui tamanho idêntico à ineficiência das polícias não organizadas militarmente: as Polícias Civis. Sim, as Polícias Civis, responsáveis pela investigação dos crimes praticados durante os protestos e pela apresentação dos seus autores ao poder judiciário. As Polícias Civis foram tão ou mais ineficientes que as Polícias Militares. Eis outra verdade.
Em apertada síntese, não concordando que a ineficiência policial seja fruto da organização militar, um modelo eficiente por natureza, ouso propor a imediata militarização das Polícias Civis como forma de melhorar seu desempenho, sendo propositalmente tão irresponsável quanto os que querem melhorar o caótico sistema policial brasileiro, tremulando apenas a bandeira da desmilitarização das Polícias Militares.
Juntos Somos Fortes!


CORONEL PM REF PAÚL - JULGAMENTO - CONSELHO DE JUSTIFICAÇÃO

O Exmo Desembargador Valmir dos Santos Ribeiro do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, relator do processo, julgou prejudicado o Conselho de Justificação ao qual foi o autor desse blog por perda de seu objeto.
Juntos Somos Fortes!