terça-feira, 2 de setembro de 2014

A IMPORTÂNCIA DA ALTERNÂNCIA POLÍTICA NOS PAÍSES COM CORRUPÇÃO INSTITUCIONALIZADA



Prezados leitores, a alternância do poder político é imprescindível nos países onde a corrupção se institucionalizou.
A corrupção tem a tendência de buscar a maior capilaridade possível no aparato estatal e quando ela atinge esse estágio, o alcance de todas as áreas, a corrupção está institucionalizada.
O estágio é praticamente irreversível.
Não existe remédio eficaz que possa deter essa doença.
A única saída que resta é tentar controlar a sua expansão, pois a tendência é a continuidade do avanço, investindo em estruturas de controle e alternando o poder político.
É óbvio que quando aumentamos o controle, nós diminuímos a oportunidade, portanto, não precisamos justificar essa opção, mas temos que acrescentar alguns aspectos no tocante à alternância do poder político.
A corrupção por mais que esteja enraizada ela sempre envolverá a interação entre pessoas e quanto mais essas pessoas se relacionarem, maior facilidade terão para praticar a corrupção e para expandir o processo de desvio de dinheiro público.
Diante dessa realidade, a troca do poder político é muito relevante como mecanismo de controle quando provoca a troca de pessoas.
O corrupto que busca o serviço público para desviar dinheiro não encontrará mais para recepcioná-lo o "conhecido", encontrará um novo responsável, alguém que ele não conhece, ou seja, alguém em quem ele não confia.
Como proporá a negociata?
O novo responsável pode estar ali exatamente para combater o desvio do erário púlico, portanto, pode ser um inimigo pronto a filmar (gravar) qualquer proposta que ele faça.
Caso o novo seja igual ao anterior, um interessado nas negociatas, a confiança demorará a se estabelecer e com isso o processo será pelo menos retardado.
Isso tudo é muito triste!
Em países onde a corrupção se institucionalizou o dinheiro público nunca é suficiente para atender as necessidades da população por maior que seja a carga tributária, pois o dinheiro público é desviado cada vez com maior frequência.
Nesses países, vez por outra, vale a pena pelo menos trocar os ladrões.

Juntos Somos Fortes!

IMAGENS DA "PACIFICAÇÃO" NO RIO DE JANEIRO

Prezados leitores, a seguir publicamos um vídeo com imagens da "pacificação" no Rio de Janeiro.


Juntos Somos Fortes!

CASO AMARILDO: TREZE POLICIAIS MILITARES PRESOS

Prezados leitores, na série de vídeos que publicamos com comentários sobre as investigações e os julgamentos dos 11 (onze) Policiais Militares acusados pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, destacamos a importância da prova técnica e a fragilidade da prova testemunhal.
Hoje o jornal O Globo publica a reportagem que reproduzimos a seguir na qual consta que peritos identificam a voz de um Policial Militar que tentou se passar por um traficante, eis uma prova técnica que demonstra a tentativa de atrapalhar a investigação policial.
A matéria revela ainda que dos 25 (vinte e cinco) Policiais Militares que respondem criminalmente por "tortura seguida de morte" com relação ao morador da Rocinha Amarildo, 13 (treze) estão presos há quase um ano aguardando julgamento.
Certamente, caso algum PM seja considerado inocente, ele acionará o Estado pelo fato de ter ficado preso.
A ação contra o Estado demorará muitos anos para transitar em julgado e quando isso ocorrer, o PM vitorioso ainda terá que esperar a sua vez para receber em uma fila interminável de precatórios.
Os Policiais Militares e os Bombeiros Militares que foram encarcerados ilegalmente em Bangu 1 pelo governo Sérgio Cabral também enfrentarão esse problema.
Urge que essa situação seja modificada, sobretudo quando o Estado erra e priva a liberdade de algum cidadão inocente.
Transitada em julgado a inocência, o Poder Judiciário deveria determinar o pagamento imediato de uma indenização pelo Estado.
Caso o inocentado considerasse o valor insuficiente, ele entraria com uma ação para obter o valor considerado justo.
O cidadão inocentado (PM, por exemplo) acaba sendo punido duas vezes: fica preso sendo inocente e depois espera anos e anos por uma indenização.


(O Globo)

Juntos Somos Fortes!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

OS POLICIAIS MILITARES E O FILME "AS BRUXAS DE SALÉM"

Prezados leitores, muitos de vocês devem ter assistido o filme "As Bruxas de Salém":


No filme pessoas são acusadas sem provas e são condenadas.
O ódio gerou uma série de injustiças referendadas por um tribunal.
No Rio de Janeiro, os Policiais Militares estão sendo apartados dos seus direitos de cidadãos brasileiros e das suas prerrogativas de militares estaduais.
Os Policiais Militares perderam a pressunção de inocência, um direito que todo cidadão que é acusado pela prática de um crime possui.
São presos com uma facilidade e com uma rapidez impressionantes.
Os Praças tiveram reduzido o tempo para que possam exercer os direitos do contraditório e da ampla defesa, sendo excluídos/licenciados da Polícia Militar em rito sumaríssimo, apesar dos processos ainda tramitarem no Poder Judiciário.
Oficiais e Praças perderam seus direitos e prerrogativas de ficarem acautelados em Organizações Policiais Militares e estão sendo jogados em solitárias de presídios de segurança máxima, inclusive fora do estado do Rio de Janeiro.
Nós temos insistido que a situação é gravíssima, pois violando a legislação, violamos o estado democrático de direito, algo que estamos tentando construir no Brasil, ainda sem sucesso.
O atual governo usou e abusou de violar direitos dos Policiais Militares e o que fizeram os órgãos de controle que foram comunicados sobre esses abusos?
NADA!
Absolutamente, NADA!
Uma omissão que nos remete à cumplicidade.
Os nossos clubes e associações também parecem anestesiados.
Nós, Policiais Militares, também não defendemos nossos iguais, não lutamos pelos nossos direitos e prerrogativas, esquecendo que amanhã as vítimas poderão ser os omissos de hoje.
Nesse triste período do governo Cabral-Pezão ainda tivemos comandante geral que bateu no peito, cheio de orgulho, afirmando no Quartel General que foi o responsável pelo encareceramento de Oficiais e de Praças em Bangu 1, militares estaduais que apenas lutavam por salários dignos para todos.
Pior, ele quer ser representante dos Policiais Militares na política.
O filme é muito interessante, recomendamos que assistam, ele deve estar disponível nas locadoras.
A realidade dos Policiais Militares do Rio de Janeiro guarda muita semelhança com o que acontece no filme.
O Brasil é uma ficção.
Quem vê de longe acha que o país é uma democracia, onde as leis são respeitadas e os direitos são iguais.
Ficção, mera ficção.

Juntos Somos Fortes!

AS MILÍCIAS SE EXPANDIRAM NO GOVERNO CABRAL-PEZÃO

Prezados leitores, a matéria do jornal Folha de São Paulo comprova como as milícias se expandiram no governo Cabral-Pezão.


(Folha de São Paulo)


Juntos Somos Fortes!

domingo, 31 de agosto de 2014

ASSASINATO DA JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI - COMENTÁRIOS - RESULTADO PRÁTICO?



Prezados leitores, agradecemos as mensagens de apoio que recebemos em razão da série de vídeos que exibimos contendo comentários do Coronel PM Ref Paulo Ricardo PAÚL, ex-Corregedor Interno da Polícia Militar, sobre as investigações e os julgamentos dos 11 (onze) Policiais Militares que foram acusados e condenados pelo cruel assassinato da juíza Patrícia Acioli.
Nós apenas cumprimos o nosso dever, tentando demonstrar que algo errado ocorreu no curso das investigações e dos julgamentos. 
Sinceramente, acreditamos que conseguimos mostrar a verdade, mas isso não representa nenhum efeito prático para os Policiais Militares que continuam tendo os seus direitos e prerrogativas violados, por exemplo, pois não estão presos em Organizações Policiais Militares, como a legislação determina, mas estão encarcerados em presídios (penitenciarias), alguns em RDD, sendo mantidos presos dentro das celas por 22 horas diariamente.
Isso é "tortura".
O sistema penitenciário tem como norte a ressocialização, não a vingança.
A situação só começará a ser resolvida quando os advogados conseguirem ser atendidos em suas justas solicitações, inclusive no tocante à anulação dos julgamentos.
Enquanto o caso não for tratado em conformidade com os valores que norteiam o estado democrático de direito, as vozes isoladas que se levantarem, como a nossa voz, não surtirão qualquer efeito.

Por sua vez, a imprensa se calou por completo, talvez por ser uma das responsáveis pelos erros.
O silêncio da imprensa mantém a opinião pública desinformada sobre os erros e a vida segue com os 11 (onze) Policiais Militares e seus familiares sofrendo as consequências do crime ter sido praticado por alguns deles contra um membro do judiciário.

Juntos Somos Fortes!

POLICIAIS MILITARES: EXPULSÕES A JATO!

(O Dia)


Prezados leitores, três Policiais Militares foram acusados de terem estuprado três jovens na comunidade "pacificada" do Jacarezinho, eles foram presos no dia 5 de agosto de 2014 (Link).
O crime é bárbaro, merece toda a nossa repulsa, isso é fato, mas isso não significa que eles perderam os seus direitos de cidadãos brasileiros.
Eles foram acusados no dia 5 de agosto e nesse domingo, dia 31 de agosto de 2014, o jornal O Dia publica que eles foram expulsos da Polícia Militar.
Se não está ocorrendo um erro na informação, a expulsão foi sumárissima, pois entre os dias 5 e 29 (data em que deve ter sido publicada a exclusão) eles foram julgados e condenados na CRD.
Vamos analisar...
Presos no dia 5 o processo administrativo disciplinar, no caso uma CRD, deve ser instaurado no dia 6 de agosto, isso considerando o prazo mínimo para instauração de um dia.
Entre 6 e 29 tivemos seis dias não úteis (sábados e domingos), portanto, sobraram dezoito dias úteis.
Nesses dezoito dias a comissão foi instaurada; os PMs receberam o libelo acusatório,; foram encaminhados para inspeção de saúde; apresentaram a defesa prévia, foram ouvidos, foram ouvidas as testemunhas de defesa e de acusação, foram solicitados e recebidos documentos (exame de corpo de delito, por exemplo); os PMs apresentaram as alegações finais; a comissão se reuniu e exarou seu resultado; o comandante dos PMs emitiu sua opinião e o comandante geral os expulsou.
O rito foi sumaríssimo.
Perguntamos:
- Você conhece alguma outra instituição pública que demite seus servidores com tamanha velocidade?
- Por que tanta rapidez se o processo segue no Poder Judiciário?
- Será que não ocorreu algum prejuízo na ampla defesa e no contraditório diante do rito sumário?
Urge que sejam modificadas as legislações que tratam dos processos administrativos disciplinares na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros, garantindo efetivamente a ampla defesa e o contraditório; permitindo o sobrestamento administrativo em casos mais complexos onde a decisão do Poder Judiciário é relevante para uma avaliação administrativa, apesar da independência entre os poderes e garantindo aos Praças as mesmas garantias ofertadas aos Oficiais.

Juntos Somos Fortes! 

sábado, 30 de agosto de 2014

MARINA SILVA ASSUME A LIDERANÇA NAS PESQUISAS E CAMINHA PARA A VITÓRIA

Prezados leitores, o resultado das pesquisas eleitorais divulgado pelo Datafolha indica que a candidata Marina Silva segue para a vitória e que o candidato Aécio Neves praticamente saiu da disputa presidencial.
A votação ocorrerá no dia 5 de outubro, portanto, faltam menos de quarenta dias para o compromisso da população de comparecer para votar. 
Não resta dúvida que o tempo é curto para reverter uma forte tendência, mas como na política brasileira vale tudo, temos que continuar focados em cada notícia, não para acreditar no seu conteúdo, mas para analisá-lo e tirarmos as nossas conclusões.
Marina é identificada como símbolo da mudança e todos acham que a política no Brasil precisa mudar.
Dilma e Aécio são o continuísmo, ou seja, representam o que precisa ser mudado.
Resultado: Marina dispara...


(O Dia)


Juntos Somos Fortes!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

ASSASSINATO DA JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI - COMENTÁRIOS - CONCLUSÕES

Prezados leitores, conforme o prometido, publicamos o último vídeo da série contendo comentários do Coronel PM Ref Paúl sobre as investigações e os julgamentos dos 11 (Onze) PMs condenados pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli.
Na verdade foram feitos dois vídeos, tendo sido escolhido esse, mas nada impede que seja exibido o outro, caso seja necessário para um melhor entendimento, pois a abordagem é diferente em alguns pontos.
Nesse o Coronel Paúl sintetiza o que comentou nos vídeos anteriores e faz novos comentários.
Lembramos ser indispensável que assistam os vídeos anteriores para a correta compreensão dos comentários e das conclusões (Link).
Tirem as suas conclusões e os que concordarem com o exposto, entrem na luta dos familiares e dos advogados dos PMs para que o caso seja reaberto e que a verdade (as provas) prevaleça.


 

Nesse último vídeo o Coronel Paúl cometeu um equívoco ao citar o nome do PM que na delação fez menção ao nome do comandante do 7o BPM. 
O Coronel optou por assinar o erro no próprio vídeo, isso para não ter que refazer a gravação e considerando que em vídeos anteriores o fato já foi corretamente citado.

Juntos Somos Fortes!

AÉCIO NEVES AFUNDA DE VEZ AO SE ASSOCIAR AO SECRETÁRIO BELTRAME

Prezados leitores, uma tragédia colocou Marina Silva entre Aécio Neves e o sonho de ocupar a cadeira de presidente da república.
Ele esperava ir para o segundo turno e tentar um milagre para reverter a significativa vantagem da presidente Dilma Rousseff sobre ele nas intenções de voto, mas diante da entrada de Marina Silva na campanha viu seu sonho se transformar em pesadelo.
Se as chances de ir para o segundo turno eram mínimas, Aécio conseguiu piorar ainda mais a sua situação ao se associar ao secretário de segurança pública Beltrame, o homem que municipalizou a segurança pública no Rio de Janeiro, espalhou traficantes por bairros e municípios e que foi acusado formalmente pelo Ministério Público de improbidade administrativa e de superfaturamento de contratos.
Aécio deu um tiro na própria cabeça.
Perderá votos no Rio de Janeiro que poderão migrar para Marina, pois ninguém aguenta mais a dupla PT-PMDB.

(Jornal Extra)



quinta-feira, 28 de agosto de 2014

ASSASSINATO DA JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI - VÍDEO FINAL - ELABORAÇÃO



Prezados leitores, a nossa decisão de concentrar em um único vídeo as considerações finais do Coronel PM Ref Paúl, ex-Corregedor Interno, sobre as investigações e os julgamentos dos 11 (onze) Policiais Militares condenados pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, acabou determinando uma nova montagem dos vídeos.
O trabalho precisa ser refeito.
O vídeo final será dividido em blocos, isso vai facilitar que possa ser visto em partes, isso sem comprometer o entendimento.
O vídeo será longo e terá os seguintes blocos:
- O dia seguinte (contexto).
- A interação da Polícia Civil com a imprensa.
- As não conformidades.
- As provas técnicas.
- As provas testemunhais.
- Conclusões.
Amanhã, nesse espaço democrático.

Juntos Somos Fortes!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

ASSASSINATO DA JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI - A HISTÓRIA QUE A IMPRENSA NÃO CONTOU



Prezados leitores, no dia 29 de agosto de 2014, sexta-feira, nós comentaremos fatos relacionados com as investigações e os julgamentos dos 11 (onze) Policiais Militares que foram condenados pelo assasinato da juíza Patrícia Acioli, que a IMPRENSA não contou.
Novamente, solicitamos aos interessadosque assistam os nossos vídeos anteriores (Link).

Juntos Somos Fortes!

UPPs: A ENTREVISTA TARDIA QUE VEIO DO FRIO

 
 
Prezados leitores, aconselhamos a leitura da excelente entrevista concedida pelo Coronel PM Robson Rodrigues ao jornal O Globo sobre as UPPs e outros temas.
Só lamentamos que ela tenha sido concedida quando o Oficial se encontra sem função da DGP ("geladeira"), pois se fosse concedida quando ele comandava todas as UPPs ou quando atuava no Estado Maior Geral, o impacto seria muito maior e as chances de produzir mudanças também.
 
"O GLOBO
‘A secretaria ficou refém do discurso político de ter 40 UPPs’, diz ex-comandante
Coronel Robson Rodrigues, ex-chefe do Estado-Maior Administrativo da PM, conta ao GLOBO como tentou reformular estrutura da corporação para superar mazelas internas
por Alexandre Rodrigues 26/08/2014 6:00 / Atualizado 26/08/2014 17:19
RIO — Criado em Nilópolis, na Baixada Fluminense, o coronel Robson Rodrigues, ex-comandante da Coordenadoria de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e do Estado Maior Administrativo da Polícia Militar do Rio, frustrou o pai duas vezes na juventude. Na primeira, não confirmou o talento para o futebol virando jogador profissional. a segunda foi quando fez de tudo para escapar do serviço militar obrigatório. O pai queria que ele fosse oficial do Exército, mas, em plena ditadura, nos anos 1970, o jovem tinha aversão total ao militarismo. Pouco tempo depois, ironicamente, trocou a faculdade de estatística pela academia da Polícia Militar, atraído pela promessa de uma carreira estável que viu num anúncio de jornal. Acabou “viciado” na profissão, mas, confessa, nunca se sentiu à vontade na condição de militar. Um ano depois de deixar a cúpula da PM em meio à crise provocada pela reação da polícia às manifestações de rua, Rodrigues revela em entrevista ao GLOBO que chegou perto de promover uma reforma profunda na estrutura da PM. Depois de dirigir as UPPs por um ano, entre 2010 e 2011, Rodrigues foi transferido para o Estado Maior para liderar um projeto de unificação da carreira dos policiais militares. Soldados passariam a ter um caminho aos postos de comando por meio de um curso realizado em paralelo com o trabalho, sem a obrigação de passar pelos três anos da academia de oficiais. Era o passo principal do projeto de instaurar o que ele chama de “militarismo mitigado”, uma forma de modernizar a gestão da PM sem abrir mão da hierarquia militar, imposição da Constituição. Para Rodrigues, seria um passo importante para incorporar a meritocracia e os princípios do policiamento de proximidade das UPPs na ação de toda a Polícia Militar. Mas o projeto não resistiu à troca de comando e às resistências corporativas dos oficiais.
As UPPs são o tema mais importante da disputa eleitoral pelo governo do Estado este ano, mas, para o coronel Rodrigues, ainda não é possível dizer se elas são um sucesso ou um fracasso. Ele alerta que, sem mecanismos de avaliação e uma reforma profunda da PM como um todo, as UPPs não passarão de mais uma expectativa política frustrada. E fala isso não apenas como um policial com 30 anos de experiência, mas como pesquisador e antropólogo. Rodrigues foi um dos primeiros (e ainda poucos) policiais militares a fazer o caminho dos quartéis para a academia, justamente onde se encontram alguns dos maiores críticos da atividade policial. Formado em direito pela Uerj, ele fez mestrado em Antropologia na UFF e dá aulas na Universidade Candido Mendes. Enquanto aguarda, “na geladeira”, o início do processo que o levará para a reserva da PM, Rodrigues trabalha como consultor para o Instituto Igarapé, um centro de estudos dedicado à segurança no Rio. Com os cabelos crescidos e roupas informais no lugar da farda, ele participa de um grupo de especialistas de vários estados que elaborou um documento com propostas para a segurança pública que foi entregue a presidenciáveis. “Fui descartado pela minha instituição, mas quero continuar a contribuir para a mudança na gestão da segurança por uma obrigação cívica, não corporativista”, diz (Leiam mais)".
 
Juntos Somos Fortes!

TIROTEIO: PEZÃO ENFRENTA A SUA "PACIFICAÇÃO" NA ROCINHA

Prezados leitores, ontem, o "criador" foi vítima da "criatura".
Um tiroteio na "pacificada" Rocinha atrapalhou a campanha do candidato Pezão (PMDB).
Penso que o fato demonstrou com clareza que a "pacificação" é uma farsa enorme.


(Povo do Rio)



Juntos Somos Fortes!



terça-feira, 26 de agosto de 2014

RIO: NOVO ARRASTÃO NAS PRAIAS



Prezados leitores, não existe lugar seguro no Rio de Janeiro...

"JORNAL O DIA
24/08/2014 23:45:57
Série de roubos a banhistas durou quatro horas no Arpoador e Leblon Grupos causaram pânico e correria nas areias das praias Luiz Almeida 
 Rio - Domingão ensolarado em pleno inverno. O que seria um dia agradável de lazer acabou se tornando um transtorno para dezenas de banhistas que se divertiam na tarde deste domingo nas praias do Arpoador e Leblon, na Zona Sul. Cariocas e turistas foram roubados por bandos formados em sua maioria por menores em diversos pontos da orla. As ações duraram das 13h às 17h, quando policiais do 23º BPM ( Leblon), com o apoio do Batalhão de Choque, conseguiram conter a ação dos assaltantes que passavam correndo levando bolsas, celulares, tênis e outros objetos, causando pânico (Leiam mais)".

Juntos Somos Fortes!