Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

VÍDEO - DENÚNCIA GRAVÍSSIMA CONTRA O PT

Eu compartilho reportagem que contém uma denúncia gravíssima contra o PT e que deve ser apurada de imediato.


FLÁVIO BOLSONARO: "NÃO VOU DECEPCIONAR NINGUÉM, CONFIEM EM MIM"



O deputado estadual Flávio Bolsonaro, eleito senador, goza da minha confiança.
Nunca ouvi ou li nada que o desabonasse como parlamentar.
Ele sempre atuou ativamente nos movimentos dos policiais, bombeiros e servidores públicos, inclusive foi um dos parlamentares responsáveis por promover a saída de policiais e bombeiros militares que estavam presos ilegalmente em Bangu 1 por ordem de Sérgio Cabral.
A seguir transcrevo matéria do jornal O Globo e concordo quando afirma que o silêncio do assessor é ruim para ele.


"Mantendo nossa coerência de sempre, não existe passar a mão na cabeça de quem errou.

NÃO FIZ NADA DE ERRADO, sou o maior interessado em que tudo se esclareça pra ontem, mas não posso me pronunciar sobre algo que não sei o que é, envolvendo meu ex-assessor.

A mídia está fazendo uma força descomunal para desconstruir minha reputação e tentar atingir Jair Bolsonaro. Não acreditem nesse enredo absurdo que mídia criou para tentar manipular a opinião pública.

Basta ver como abordam a movimentação na conta de meu ex-assessor, como se ele tivesse recebido R$ 1,2 milhões, quando na verdade foram R$ 600 mil que entraram mais R$ 600 mil que saíram de sua conta. Ainda assim um valor alto e que deve ser esclarecido por ele, que tomou a decisão de não falar com a imprensa e somente falar ao Ministério Público. Isso é ruim pra mim, mas não tenho como obrigá-lo.

Há suspeitas nas movimentações financeiras de assessores de vários partidos, incluindo do PSOL, mas a mídia só ataca a mim. 

Fico angustiado, querendo que tudo se esclareça logo e não paire mais nenhuma dúvida sobre minha idoneidade, pois garanto a todos que não dei e nunca darei motivos para isso.

Não vou decepcionar ninguém, confiem em mim. Se Deus quiser, tudo será esclarecido em breve.

FLÁVIO BOLSONARO"

Fonte:

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

VÍDEOS - OS BONS VELHOS TEMPOS

Compartilhando:
















segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

NÓS NÃO PODEMOS USAR AS DESCULPAS DA ESQUERDA, VIEMOS PARA CONSERTAR



Eu votei no Presidente da República e no Governador do Rio de Janeiro eleitos.
Fiz campanha ativa e contínua para eles e contra seus adversários, não por considerá-los a salvação do país e do estado, mas por considerá-los melhores que os outros pretendentes aos cargos.
Claro que a carreira política do deputado Jair Bolsonaro, centrada na honestidade, foi um fator decisivo na escolha do voto, mas confesso que nada sabia sobre o nosso próximo governador antes da candidatura. Votei nele sobretudo porque jamais votaria (ou votarei) em um parceiro do ex-governador Sérgio Cabral.
Em síntese, votei em um pela honestidade e no outro pela desonestidade do grupo que ele seu principal adversário representava.
Dadas as explicações preliminares, com as quais penso ter deixado minha posição clara sobre as escolhas que fiz, passo a esclarecer porque tenho feito publicações no Face alertando que nós, os que votamos em Jair Bolsonaro, não podemos dar as mesmas desculpas que tanto criticamos da esquerda, isso no episódio envolvendo assessores do deputado estadual Flávio Bolsonaro.
Penso que isso seja uma guerra que deve ser ganha com um tiro só.
Os assessores publicamente explicam as movimentações financeiras.
Havendo algo errado investigue-se, não havendo, vida que segue.
Ponto final, vamos governar.
Não podemos é ficar alegando nas redes que só agora o COAF acordou; que a falecida primeira-dama Marisa enriqueceu vendendo Avon etc.
Tais desculpas a esquerda dava, jogando a culpa em outros pelos seus "malfeitos" ou dizendo que não sabia.
Nós somos os que viemos para consertar.
FALEM OS ASSESSORES!
E LOGO!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

BRASILEIRÃO 2013 - CINCO ANOS DO MAIOR ESCÂNDALO DA IMPRENSA ESPORTIVA



Hoje completamos cinco anos do "escândalo do Brasileirão 2013", um conjunto de fatos, esses chatos, exaustivamente comprovados neste blog democrático e no livro publicado a respeito, o que me permite apresentar apenas um breve resumo nesta data comemorativa.

Eis os principais fatos:

- na última rodada do Brasileirão 2013, o Flamengo estava salvo matematicamente do rebaixamento; a Portuguesa estava praticamente salva; o Vasco e o Fluminense lutavam para não caírem, entre outros.
- a rodada começou no dia 7 de dezembro (sábado) e foi concluída no dia 8 (domingo).
- nos dias 6 e 7 alguns órgãos de imprensa noticiaram que o Flamengo não poderia escalar André Santos por estar suspenso.
- a direção do Flamengo interpreta errado a legislação e escala André Santos para o jogo e ele joga.
- a partir desse momento o Flamengo passou a correr risco de ser rebaixado em virtude da punição que seria imposta (como foi) ao clube. Uma punição ratificada em todos os julgamentos realizados, cabe destacar. O Flamengo perdeu todos os recursos.
- o que deveria ser feito pela imprensa esportiva diante de um dos maiores "furos" de reportagem da história do futebol brasileiro? Óbvio, noticiar no dia 7 (sábado) o ocorrido e informar que o Flamengo poderia ser rebaixado no domingo.
- nenhum órgão de imprensa esportiva noticiou. Nem os que publicaram sobre a suspensão de André Santos. 
- qual a explicação dada pela imprensa esportiva para essa "amnésia coletiva"? Até hoje nenhuma. Cinco anos se passaram e o fato da imprensa ter se "calado" continua sem qualquer esclarecimento.
- como ninguém noticiou, o assunto ficou abafado e aconteceu algo surreal. A Portuguesa, isso no domingo, também escalou um jogador irregular, o Héverton. 
- repare que tudo ocorreu dentro do campo, os erros aconteceram durante as partidas.
- isso fez com que após as punições ao Flamengo e a Portuguesa, o clube paulista tenha caído e evitado a queda do Flamengo, considerando os resultados dos jogos de domingo.
- basta consultar a classificação oficial final do Brasileirão 2013 para constatar que se a Portuguesa não escalasse o Héverton, o Flamengo teria sido rebaixado.
- todos são fatos indiscutíveis e plenamente comprovados.
- a imprensa fez algo a respeito de todos esses fatos? Fez, tentou jogar a culpa no Fluminense de todas as formas e até hoje ainda existe jornalista dizendo que a Portuguesa salvou o Fluminense.

Tenho certeza que no dia 7 de dezembro de 2013 estaremos comemorando o décimo aniversário do escândalo e a imprensa continuará abafando os fatos e algum jornalista ainda vai estar acusando o Fluminense.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

O BRASIL DÁ CERTO AGORA OU NUNCA MAIS




Compartilhando:

Postado pelo Gen Heleno:
Sou veterano de Festa do Aspirantado. Quatro anos de cadete, outros quatro de “frango”, sempre com o quarto ano de Cavalaria, me fizeram íntimo dessa emoção, que todos, principalmente os futuros aspirantes, vivemos intensamente. Cheguei ao PTM para mais uma entrega de espadas, no último sábado. Já havia acompanhado, de perto, o Pres Rep,!em quatro outras oportunidades (Collor e Itamar). Era então adjunto da Casa Militar. De repente, as manifestações totalmente inéditas, vindas do imenso público presente, me transportaram à realidade. Dessa vez, eu era assessor direto de Jair Bolsonaro. Mais ainda, ele era o primeiro Presidente da República, militar, formado no nosso maior santuário. As perguntas seguintes me levaram a profundas reflexões: 
- será que ele, Bolsonaro, tinha ideia da imensa responsabilidade dessa constatação?
- o que isso (ser cadete da AMAN) colocara na alma do novo Cmt Supremo das Forças Armadas?
-  o que essa nova realidade significaria, daqui em diante, para o resgate histórico das FA, tão injustiçadas e vilipendiadas, ao longo de 54 anos?
Recordei nossa festa, nossos pais, parentes e amigos, vibrando com a nossa conquista. 
O canto da Canção da Academia fez rolar no meu rosto, algumas lágrimas, até então, duramente contidas.
Lembrei, então, do que Bolsonaro já repetiu, para mim, inúmeras  vezes: “- General, me ajude, eu não posso errar, senão perderemos a única chance de mudar o Brasil. Se a canalha voltar, nunca mais....”
Queria passar isso a vocês, meus irmãos de fé e de ofício. Durmo e acordo pensando nisso. 
Rezem por nós. Que Deus nos ilumine. Estamos juntos. 
Brasil acima de tudo!

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

UMA POLÍTICA PARA A UNIVERSIDADE E NÃO UMA UNIVERSIDADE PARA A POLÍTICA

Compartilhando:


UMA POLÍTICA PARA A UNIVERSIDADE E NÃO UMA UNIVERSIDADE PARA A POLÍTICA

Maria Lucia Victor Barbosa
27/11/2018
Nas eleições de 2018, certos fatos chamaram atenção. Primeiro, Institutos de pesquisa contratados por importantes jornais e TVs erraram feio.  Cito para ilustrar dois candidatos ao senado, Roberto Requião, no Paraná, Dilma Rousseff, em Minas Gerais, que atravessaram a campanha, segundo pesquisas, em primeiro lugar e acabaram amargando fragorosa derrota.                                                               
Segundo fato, o equívoco de candidatos e exemplifico com Geraldo Alckmin (PSDB). Tendo o maior tempo de televisão, maiores recursos financeiros, o apoio do chamado Centrão exibiu um péssimo marketing e atacou quem não devia, o candidato Jair Messias Bolsonaro, inclusive, quando este se encontrava hospitalizado em estado crítico por conta da facada que lhe foi desferida em Juiz de fora  por um matador de aluguel.
Alckmin não enfrentou o PT por um motivo bem simples: tucanos amam o presidiário Lula. Recorde-se ainda, que o candidato do PSDB com mais chances de chegar ao segundo turno, João Dória, foi abatido por seu próprio partido capitaneado por Fernando Henrique Cardoso. Este fortaleceu a candidatura de Alckmin para depois se encantar com o apresentador de TV, Luciano Huck e, posteriormente, se apaixonar por Marina Silva.
Enquanto o presidiário injetava força e ordens no chamado poste, Fernando Haddad, Ciro Gomes tentava adocicar sua violência verbal e os demais candidatos faziam o que podiam. Tudo em vão. Pois apenas Bolsonaro havia entendido que o povo estava farto do PT, do politicamente correto, da corrupção dos falsos salvadores da pátria.
Ao final, a verdade das urnas desmentindo os institutos de pesquisa, que apontavam Bolsonaro como derrotado por todos os candidatos no segundo turno. Ele ganhou com impressionantes quase 58 milhões de votos, arrastando para a vitória candidatos ao governo e postulantes a outros cargos.
Agora acontece a fase da transição e nunca se viu um presidente tão cobrado. Cobra-se dele, mesmo antes de ser empossado, a reforma da Previdência, a Tributária, etc. E suas indicações para os ministérios são veementemente criticadas, apesar da excelência das escolhas a começar por Sérgio Moro, este baluarte da Justiça. Parece até que Bolsonaro leu “O Príncipe”, obra do notável mestre das realidades do poder, Nicolau Maquiavel, que afirmou:
“A escolha dos ministros por um príncipe não tem pouca importância”. “A primeira impressão que se tem de um governante e de sua inteligência é dada pelos homens que o cercam”. “Quando estes são competentes e leais pode-se sempre considerar o príncipe sábio, pois foi capaz de reconhecer a capacidade e de manter a fidelidade”.
O presidente Bolsonaro tem sido coerente, criterioso e cuidadoso em suas escolhas, indicando os mais melhores. Mas, como disse alguém, “mesmo que ele indicasse Jesus Cristo para um ministério Este seria criticado”.
As críticas mais ácidas no momento são despejadas sobre, Ernesto Araújo, escolhido como ministro das Relações Exteriores e Ricardo Vélez Rodríguez, para o ministério da Educação. Vejamos rapidamente o que foi considerado pela esquerda, notadamente o PT, como os grandes “pecados” de ambos:
Araújo, crítico do PT e do “globalismo” (que é diferente de globalização), é admirador do Trump e citou Deus. Isto provocou enorme rebuliço e frêmitos de indignação nas hostes da esquerda. Não me lembro de críticas a Celso Amorim, ministro fake, pois o verdadeiro chanceler da época petista foi Marco Aurélio Garcia que exerceu sua influência maléfica para que o Brasil apoiasse os piores ditadores, a escória mundial, na contramão dos Direitos Humanos. Foi um tempo vergonhoso para o Brasil em termos de política internacional.
Quanto a Vélez Rodríguez é também um “blasfemo”. Ele fala em valores, família, é antipetista, menciona Deus, é contra a ideologia de gênero e a favor da escola sem partido. Pejorativamente é chamado de colombiano, apesar de ser naturalizado brasileiro, ter esposa brasileira e filho brasileiro. Jamais tomei conhecimento de alguém chamar o ex-ministro Mantega de italiano. Sobre a excelente qualidade intelectual do professor Vélez, sobre suas obras, muito pouco é dito.
De todo modo, tanto o chanceler quanto o professor ressoam não só o pensamento do presidente Bolsonaro, quanto o de quase 58 milhões de brasileiros.
Concordo com o pensamento liberal de Vélez Rodríguez e sobre ideologia de gênero já escrevi a respeito, podendo voltar ao tema. Quanto a escola sem partido quer dizer, na verdade, quebra da hegemonia petista, notadamente nas universidades, onde o objetivo costuma ser não é o de formar cientistas ou profissionais liberais, mas doutrinar futuros convertidos ao PT para assim fortalecer os desígnios de poder do partido.
Para terminar invoco as palavras do sociólogo Max Weber: “A tarefa do professor é servir aos alunos com seu conhecimento e experiência e não lhes impor suas opiniões políticas pessoais”.
  Maria Lucia é socióloga e professora.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

SEGURANÇA PÚBLICA - FENEME - A CARTA DE FOZ

Compartilhando:



FEDERAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS
-FENEME
SERVINDO E PROTEGENDO QUEM SERVE E PROTEGE

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU-PR
Os Oficiais dirigentes das entidades de Oficiais Militares dos Estados, federadas a Federação Nacional das Entidades de Oficiais Militares Estaduais (FENEME), representando 65 mil militares estaduais associados, reunidos em Reunião Geral Extraordinária na cidade de Foz do Iguaçu - Paraná, proclamam a presente “Carta de Foz do Iguaçu” nos seguintes termos:
I – Parabenizar o Deputado Federal Jair Bolsonaro pela eleição a Presidente da República Federativa do Brasil, enaltecendo sua histórica defesa dos policiais militares e bombeiros militares do Brasil durante seus mandatos na Câmara dos Deputados.
II – Confiar que nosso Presidente eleito saiba bem conduzir a política de segurança pública no Brasil há muito tempo relegada a segundo plano, promovendo a deliberação necessária em pontos caros para os militares dos Estados e Distrito Federal, tais como o Ciclo Completo de Polícia, o Código Nacional de Bombeiros, a Lei Orgânica das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, o estabelecimento de percentual constitucional da arrecadação de tributos para a segurança pública, dentre outros, bem como uma participação mais efetiva no futuro Ministério da Justiça e Segurança Pública, reconhecendo no entanto a importância de se manter Ministério próprio para a Segurança Pública.
III – Que seja reconhecida a importante atuação política dos militares que integram as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (e de seus dependentes) para a eleição do Presidente da República e que se traduza, finalmente, na destinação do necessário e almejado protagonismo dos profissionais de Polícia Militar e Bombeiro Militar no tocante à concepção e aplicação de políticas públicas e alterações legislativas destinadas à otimização da segurança pública e defesa civil.
IV – Por suas peculiaridades, reafirmar o entendimento de que os militares dos Estados e do Distrito Federal devem ter um regime especial para regular suas condições de ingresso na inatividade, assim como para o estabelecimento de pensões, tal como se dá com os militares das Forças Armadas, por simetria.
V – Enaltecer a postura do Governador eleito do Estado do Rio de Janeiro, Senhor Wilson Witzel, por sua intenção de extinguir a Secretaria de Segurança Pública, elevando as Polícias em nível de Secretaria, em detrimento de uma pasta que tem servido historicamente para projetar politicamente seus titulares e governantes em prejuízo da segurança pública.
VI – Enaltecer as posturas do Ministério Público e do Tribunal de Justiça do Piauí, que provocados pela Associação dos Oficiais Militares Estaduais do Piauí – AMEPI, culminaram por adotar, na segurança pública daquele Estado, a integração de dados entre as Polícias e o Ciclo Completo na atividade policial por parte da Polícia Militar, nas infrações penais de menor potencial ofensivo, no denominado Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).
VII – Repudiar a postura do Governador eleito do Distrito Federal, por divulgar a intenção de extinguir a Casa Militar, órgão presente em todos os Estados da Federação, que historicamente zela pela segurança do Executivo, instituindo em seu lugar um Gabinete de Segurança Institucional, chefiado por um delegado de polícia civil.
VIII – Repudiar a postura do Governador eleito do Estado de São Paulo de criar a figura de um interlocutor, Secretário Executivo, entre o Secretário da Segurança Pública e o Comandante Geral da PM, posicionando figura tão importante na hierarquia institucional num escalão inferior na estrutura do Estado.
Foz do Iguaçu - PR, 21 de novembro de 2018.
MARLON JORGE TEZA
Coronel PM Presidente




sábado, 24 de novembro de 2018

A FORÇA DOS BLOGUEIROS CONTINUA EXISTINDO


As redes sociais crescem continuamente e as novidades surgem com uma frequência difícil de acompanhar.
Nesta onda criada pelas redes, um presidente foi eleito, o que por si só demonstra o seu poder na formação de opiniões.
Os blogs parecem ter ficado alguns passos atrás, diante da informação instantânea do Twitter, do Face, do Instagram e outros.
Os textos mais longos não são um atrativo para quem quer saber de tudo em poucas letras.
Isso é um fato.
Será que os blogs estão condenados ao desuso?
Tenho certeza que não.
Fundamento minha opinião lembrando de que foram nos blogs que o "império" de Sérgio Cabral começou a ruir e também foram neles que a farsa das UPPs foi desmascarada.
O meu nasceu em 2007 e terá vida longa, como muitos outros.