Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

BRASIL - PROJETO DE PODER TOTAL DA ESQUERDA SOFREU DURO GOLPE



A esquerda brasileira, após governar o país por treze anos, teve interrompido o seu projeto de poder absoluto, isso com a derrota do seu candidato à presidência.
O golpe foi muito duro, tanto que ao invés de aceitarem a derrota, como outros fizeram quando a esquerda saiu vitoriosa, seus integrantes falam em resistência.
Resistência contra a vontade popular?
Como devemos denominar isso?
Tudo indica que trabalharão para o fracasso do próximo governo, torcendo para quanto pior  for o governo, melhor para eles.
Como se algum governo pudesse ser pior que o deles.
Tal realidade faz com que seja indispensável que a mobilização popular que elegeu Jair Bolsonaro não seja desmobilizada ao longo do governo.
É hora de unir o povo que quer construir um Brasil melhor e se a esquerda realmente está apostando no contrário, pode ter certeza que seremos a resistência democrática nas redes sociais e nas ruas, isso se preciso for, mas sempre de forma ordeira e pacífica como sempre fizemos.
O povo demonstrou com clareza solar que não quer o socialismo, o comunismo, ou qualquer outro "ismo".
Quem quiser viver sob tais regimes que busque outro país.
O primeiro passo para resistirmos foi sugerido nas redes sociais: Não falemos mais neles!
Vamos vigiá-los com o olhar atento, mas vamos tirá-los da história.
Viva o Brasil democrático!

terça-feira, 30 de outubro de 2018

BRASIL - PEDIDO DE SOCORRO DE UM ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO



Compartilhando:

"*Manifesto de um aluno universitário que não quer ser da esquerda*.

"É isso mesmo o que vc leu. Sou aluno de uma universidade pública federal de um curso de humanas. Você não sabe o que é isso aqui dentro. Vejo algumas matérias de intolerância, mas nada se compara.

Aqui tem frase feminista que diz: morte aos machos. Aqui o laicismo é só pra religião cristã, pq as outras religiões e seitas são, inclusive, incentivadas pelos professores.

Se alguém questionar algo, é o racista e intolerante. Aqui vc tem que fingir que é a favor do PT, caso contrário eles não sentam com vc no refeitório, não pegam o mesmo elevador, de chingando, perseguem, falam absurdamente que vc é algum "Ista" só e puramente pq vc não concorda com eles.

Me diga, cidadão, isso é liberdade de pensamento?

Tem mais, ele fazem sexo ali na sua frente. Usam o termo hetero como chingando. Você será um homofóbico se não concordar com eles.

E os professores. Ah esses são os melhores. Falam do Karl Marx como se ele fosse o Batman. O socialismo é ótimo, não para eles, com carrões, apartamento em área nobre e filhos estudando no repressor Estados Unidos.

O pior é o que vou relatar agora, que foi o que me motivou a escrever esse manifesto. Os alunos criaram um filtro para o Facebook, no qual ele colocam uma foto e a baixo tem escrito "desaparecido". Eles dizem que é pra simular como será os perfis se a ditadura voltar. Pois, segundo eles, muitos vão sumir.

Eu achei isso tão absurdo e cheguei a conclusão de quem quer a ditadura são eles.

Você já percebeu que quem mais fala da ditadura é a esquerda? Eles tem um fetiche por esse assunto. Parece até que querem viver isso. Parece que eles têm um desejo de ser herói, mas aquele herói martirizado. Não percebem que estamos em outro tempo. Eles não frequentam as aulas.

Ganham discussão no grito. Se montam um debate, todos os presentes concordam entre si. Se vc ousar, sugerir pensar algo diferente. Tá frito, amigo.

Querem dar aula de história sobre o facismo. Daí quando vc fala que o facismo surgiu com a esquerda eles gritam, esbravejam, mas nada de argumento.

Não leem nem o nome do ônibus, decoram o número.

Eles têm um desejo de ser diferente. 3 meses depois que entra um aluno na faculdade, ele já se veste, fala, se comporta igual aos outros. Cópias que repetem o mesmo discurso.

Falam que sofrem repressão. Daí quando vc vai analisar o caso, na verdade ele transgrediu uma regra civil, foi punido e acha que ainda sofreu abuso.

Isso que vi são, apenas, 6 meses de universidade.

Precisamos urgentemente fazer com essa repressão e doutrinação acabe. Ou vai continuar sendo uma máquina de zumbis repetidores de jargões e que funcionam a base de maconha.

Não posso assinar. Queria poder dizer isso abertamente, mas vivemos numa ditadura de pensamento esquerdista".

*Socorro!*

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

VÍDEO - EIS A DEMOCRACIA

Compartilhando:


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

BOLSONARO RECEBERÁ UM PAÍS DESTROÇADO


O presidente Jair Bolsonaro receberá um país destroçado, onde nenhum serviço público funciona de modo satisfatório, inexistindo a contrapartida pela abusiva carga tributária paga pela população.
O povo brasileiro sofre.
Será uma tarefa sobrehumana fazer o Brasil funcionar minimamente para atender aos brasileiros, mas será ainda mais difícil unir a população para a construção de um novo país, pois o que respira hoje por aparelhos foi destruído pela cleptocracia.
Bem-vindo, Jair Bolsonaro, os homens e as mulheres de bem ombrearão contigo.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

RIO - REUNIÃO IMPORTANTE PARA A SEGURANÇA PÚBLICA



Compartilhando:

"Dia 24/10/2018, a partir de 1730 h, o candidato Wilson Witzel falará aos militares estaduais na sede da AME/RJ, sita à Rua Camerino, 114, Centro do Rio.

Mas afinal, por qual motivo deveríamos ir lá?

Como deve saber, em ao menos três momentos distintos a PM teve a possibilidade de atender melhor a população na mediação de ocorrências e ao mesmo tempo permanecer mais presente nas ruas obstada pela estrutura política representada pela pasta de segurança do RJ.

Sim, falo da lavratura do termo circunstanciado, medida através da qual a maioria absoluta das ocorrências delituosas atendidas pela PM (ameaça, perturbação do sossego, etc.) deixaria de acarretar a condução às delegacias de polícia, sendo as partes liberadas no local dos fatos e a ocorrência reportada diretamente ao Juizado Especial Criminal competente com economia de tempo e dinheiro público.

Por outro lado, a Polícia Civil poderia destinar seus recursos ao aumento das taxas de elucidação de delitos graves, com ênfase aos crimes contra a vida, inclusive de policiais civis e militares, e contra o patrimônio (sem falar de crimes mais complexos, protagonizados por conglomerados de agentes, inclusive políticos, nos moldes do que tem feito a Polícia Federal).

Sim, mas e daí?

E daí que apenas um de dois candidatos já assumiu o compromisso de extinguir justamente a estrutura política historicamente contrária à democratização da lavratura e encaminhamento do termo circunstanciado de ocorrência e responsável até mesmo pela apropriação do sistema que mais deveria aproximar a PM da população, o sistema 190.

Mas isso quer dizer que ele permitirá a adoção de tal medida?

Não necessariamente, é verdade. Mas o dia 24 nos dará uma grande oportunidade de sabermos até que ponto o candidato Wilson Witzel está disposto a romper ao menos um paradigma a mais do que o representado pela já arrojada medida de acabar com a SESEG, se distanciando, mais uma vez, do outro candidato também em relação à possibilidade de fazer "mais com menos", liberando a PM do RJ para que faça pela população o que já é feito em diversos estados do Brasil, do RS a RO, e de GO a SE.

Enquanto Witzel apregoa a extinção da SESEG, com incremento de autonomia e liberdade do Comandante Geral, e defende o aumento da elucidação de delitos como alternativa inibitória mais eficaz para o controle da impunidade do que as "soluções" de sempre, do outro lado o que se ouve é o que se ouvia, sem novidades no front.

Por tudo isso eu prestigiarei a ida do futuro governador à AME, certo ainda da importância de uma casa realmente cheia para demonstrar não apenas que ainda temos esperança, mas que estamos fartos das mesmas ideias de sempre.

E quanto a você?

Poderia também comparecer?

Wanderby Braga de Medeiros

Coronel PM RR"

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

sábado, 20 de outubro de 2018

AOS AMIGOS PETISTAS - NELSINHO MOTA



Compartilhando:


AOS AMIGOS PETISTAS
Nelsinho Motta

“Nunca perdi um amigo por causa de política. Tenho vários amigos petistas que merecem meu afeto e respeito, alguns até minha admiração, e convivemos bem porque quase nunca falamos de política, talvez por termos assuntos mais interessantes a conversar. Mas agora o assunto é inevitável. E eles estão mais decepcionados do que eu.

Também tenho amigos tucanos, comunistas, conservadores, não meço a qualidade das pessoas pelo seu time, religião ou suas crenças políticas, em que sonhos, idealismo e equívocos se misturam com ambição, desonestidade e incompetência para provocar monstruosas perdas de vidas, dignidade e dinheiro ao coitado do povo que todos eles dizem amar.

O PT está caindo aos pedaços, depois de 13 anos no poder, com grandes conquistas e imensos desastres, mas a perspectiva de ser governado pelo PMDB ou pelo PSDB não é animadora. Claro que há gente decente e competente nos dois partidos, mas a maioria de seus quadros e dirigentes não é melhor do que os piores petistas, e vice-versa.

Chegamos finalmente ao “nós contra eles” que Lula tanto queria ... quando era maioria ... e agora se volta contra ele, perseguido como os judeus pelos nazistas e os cristãos pelos romanos ... rsrs.

Se não fosse tão arrogante e autoritária, Dilma mereceria pena, porque não é desonesta, mas é mentirosa e sua incompetência nos dá mais prejuízos do que a corrupção. Suas falas tortuosas são a expressão da sua confusão mental.

E se Lula não fosse tão vaidoso e ambicioso, tão irresponsável e inescrupuloso, não teria jogado a sua história na lama por achar que está acima do bem e do mal e que nunca descobririam que ele sempre soube de tudo.

Petistas inteligentes e informados sabem que o sonho acabou, game over, zé fini, não por uma conspiração da CIA, dos coxinhas ou da imprensa golpista, mas pelos seus próprios erros, pelo baixo nível e alta voracidade dos seus quadros, pela ganância e incompetência que nos levaram ao lodaçal onde chafurdamos.

É triste, amigos petistas, o sonho virou pesadelo, mas não foi a direita que venceu, foi o partido que se perdeu. O medo está dando de 7 a 1 na esperança”.

[ Nelsinho Mota ]"

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

O FRACASSO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NA HORA DE TRABALHAR


Respeitando todas as opiniões contrárias, considero que o denominado Partido dos Trabalhadores se destacou quando era oposicão, mas foi um enorme fracasso quando assumiu o governo do país e teve que trabalhar.
Escândalos, eis o que mais produziu nos governos Lula e Dilma, como o Judiciário, o Ministério Público, a Polícia Federal e a imprensa demonstraram (e demonstram) com clareza solar.
Em 2019, o PT voltará para o seu lugar de oposição e nos resta torcer que fique lá até sua extinção completa.
O PT destruiu a Esquerda no Brasil.
O Brasil democrático precisa crescer e afastar-se do modelo bolivariano de ditadura e atraso.
Viva o Brasil. 

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

sábado, 13 de outubro de 2018

O POSTE DO DATAFOLHA


Compartilhando: 
O Antagonista
O Poste do Datafolha
Os números mostram claramente que a classe média – velha ou nova – desconfia do poste. Entre eleitores com renda entre 5 e 10 salários mínimos, Jair Bolsonaro demole Fernando Haddad por 62% a 28%.
Ao mesmo tempo, não há nada nesses dados que indiquem que a nova classe média é grata a Lula. Grata pelo quê? Grata por Dilma Rousseff? Grata por ter saqueado a Petrobras?

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

PALAVRAS DE UM ESQUERDISTA LÚCIDO E COERENTE


Compatilhando:

PALAVRAS DE UM ESQUERDISTA LÚCIDO E COERENTE 👇🏻

Gustavo Bertoche
De onde surgiu o Bolsonaro? 

Desculpem os amigos, mas não é de um "machismo", de uma "homofobia" ou de um "racismo" do brasileiro. A imensa maioria dos eleitores do candidato do PSL não é machista, racista, homofóbica nem defende a tortura. A maioria deles nem mesmo é bolsonarista. 

O Bolsonaro surgiu daqui mesmo, do campo das esquerdas. Surgiu da nossa incapacidade de fazer a necessária autocrítica. Surgiu da recusa em conversar com o outro lado. Surgiu da insistência na ação estratégica em detrimento da ação comunicativa, o que nos levou a demonizar, sem tentar compreender, os que pensam e sentem de modo diferente. 

É, inclusive, o que estamos fazendo agora. O meu Facebook e o meu WhatsApp estão cheios de ataques aos "fascistas", àqueles que têm "mãos cheias de sangue", que são "machistas", "homofóbicos", "racistas". Só que o eleitor médio do Bolsonaro não é nada disso nem se identifica com essas pechas. As mulheres votaram mais no Bolsonaro do que no Haddad. Os negros votaram mais no Bolsonaro do que no Haddad. Uma quantidade enorme de gays votou no Bolsonaro. 

Amigos, estamos errando o alvo. O problema não é o eleitor do Bolsonaro. Somos nós, do grande campo das esquerdas.

O eleitor não votou no Bolsonaro PORQUE ele disse coisas detestáveis. Ele votou no Bolsonaro APESAR disso.

O voto no Bolsonaro, não nos iludamos, não foi o voto na direita: foi o voto anti-esquerda, foi o voto anti-sistema, foi o voto anti-corrupção. Na cabeça de muita gente (aqui e nos EUA, nas últimas eleições), o sistema, a corrupção e a esquerda estão ligados. O voto deles aqui foi o mesmo voto que elegeu o Trump lá. E os pecados da esquerda de lá são os pecados da esquerda daqui.

O Bolsonaro teve os votos que teve porque nós evitamos, a todo custo, olhar para os nossos erros e mudar a forma de fazer política. Ficamos presos a nomes intocáveis, mesmo quando demonstraram sua falibilidade. Adotamos o método mais podre de conquistar maioria no congresso e nas assembleias legislativas, por termos preferido o poder à virtude. Corrompemos a mídia com anúncios de empresas estatais até o ponto em que elas passaram a depender do Estado. E expulsamos, ou levamos ao ostracismo, todas as vozes críticas dentro da esquerda.

O que fizemos com o Cristóvão Buarque? 
O que fizemos com o Gabeira?
O que fizemos com a Marina?
O que fizemos com o Hélio Bicudo?
O que fizemos com tantos outros menores do que eles?

Os que não concordavam com a nossa vaca sagrada, os que criticavam os métodos das cúpulas partidárias, foram calados ou tiveram que abandonar a esquerda para continuar tendo voz.

Enquanto isso, enganávamo-nos com os sucessos eleitorais, e nos tornamos um movimento da elite política. Perdemos a capacidade de nos comunicar com o povo, com as classes médias, com o cidadão que trabalha 10h por dia, e passamos a nos iludir com a crença na ideia de que toda mobilização popular deve ser estruturada de cima para baixo.

A própria decisão de lançar o Lula e o Haddad como candidatos mostra que não aprendemos nada com nossos erros - ou, o que é pior, que nem percebemos que estamos errando, e colocamos a culpa nos outros. Onde estão as convenções partidárias lindas dos anos 80? Onde estão as correntes e tendências lançando contra-pré-candidatos? Onde estão os debates internos? Quando foi que o partido passou a ter um dono? 

Em suma: as esquerdas envelheceram, enriqueceram e se esqueceram de suas origens. 

O que nos restou foi a criação de slogans que repetimos e repetimos até que passamos a acreditar neles. Só que esses slogans não pegam no povo, porque não correspondem ao que o povo vivencia. Não adianta chamar o eleitor do Bolsonaro de racista, quando esse eleitor é negro e decidiu que não vota nunca mais no PT. Não adianta falar que mulher não vota no Bolsonaro para a mulher que decidiu não votar no PT de jeito nenhum.

Não, amigos, o Brasil não tem 47% de machistas, homofóbicos e racistas. Nós chamarmos os eleitores do Bolsonaro disso tudo não vai resolver nada, porque o xingamento não vai pegar. O eleitor médio do cara não é nada disso. Ele só não quer mais que o país seja governado por um partido que tem um dono.

E não, não está havendo uma disputa entre barbárie e civilização. O bárbaro não disputa eleições. (Ah, o Hitler disputou etc. Você já leu o Mein Kampf? Eu já. Está tudo lá, já em 1925. Desculpe, amigo, mas piadas e frases imbecis NÃO SÃO o Mein Kampf. Onde está a sua capacidade hermenêutica?). 

Está havendo uma onda Bolsonaro, mas poderia ser uma onda de qualquer outro candidato anti-PT. Eu suspeito que o Bolsonaro só surfa nessa onda sozinho porque é o mais antipetista de todos.

E a culpa dessa onda ter surgido é nossa, exclusivamente nossa. Não somente é nossa, como continuará sendo até que consigamos fazer uma verdadeira autocrítica e trazer de volta para nosso campo (e para os nossos partidos) uma prática verdadeiramente democrática, que é algo que perdemos há mais de vinte anos. Falamos tanto na defesa da democracia, mas não praticamos a democracia em nossa própria casa. Será que nós esquecemos o seu significado e transformamos também a democracia em um mero slogan político, em que o que é nosso é automaticamente democrático e o que é do outro é automaticamente fascista?


É hora de utilizar menos as vísceras e mais o cérebro, amigos. E slogans falam à bile, não à razão.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

O NORDESTE ESTÁ DEIXANDO DE SER "PT,


A grande notícia que as urnas trouxeram ontem foi a confirmação de que o Nordeste está deixando de votar no "PT", como o restante do Brasil já fez.
Basta uma análise matemática dos votos para presidente no primeiro turno nas últimas eleições para constatar que o PT consegue cada vez menos votos.
A mudança está partindo das Capitais parao Interior dos estados nordestinos.
Vamos torcer para que no segundo turno o Nordeste demonstre maior consonância com o pensamento da população brasileira como um todo.

https://www.oantagonista.com/brasil/o-nordeste-bolsonarista/?utm_source=email&utm_medium=news&utm_campaign=NEWS-OA-2018-10-08-MANHA&utm_content=link-6&oa_umh=e48716a39c0954d4181399b0b727e928&oa_news=related

sábado, 6 de outubro de 2018

A "HUMANISTA" ESQUERDA DESPREZA A VIDA DE BOLSONARO - CLAUDIA WILD

Compartilhando:


A “humanista” esquerda despreza a vida de Bolsonaro
5 DE OUTUBRO DE 2018
Claudia Wild
por Claudia Wild

O atentado sofrido por Jair Bolsonaro expôs, de forma inequívoca, as entranhas pútridas da covardia e da falácia sobre uma suposta “superioridade moral” da esquerda.

O ato criminoso foi praticado por um militante marxista. Foi comemorado por 11 em cada 10 marxistas e, como não bastasse, a barbárie virou chacota, sendo tratada com o mais absoluto desprezo pela militância e pelos seus expoentes, que, hipocritamente, dizem lutar por um “ mundo melhor e com mais amor”.

Isso é tudo que você precisa saber sobre o pseudo-humanismo marxista e o péssimo caráter dos que seguem esta abjeta ideologia.

Por proibições médicas Jair Bolsonaro não pode comparecer ao Debate. A candidata Marina Silva debochou da condição em seu Twitter pessoal
A essência marxista não se importa, minimamente, com a dor humana. Ela somente usa suas agruras como moeda de troca para seus conhecidos estelionatos. É, exatamente, por esse motivo que os seguidores da ideologia amam o sofrimento alheio, a miséria, a fome. Por essa razão, multiplicam pobres, empilham cadáveres e fazem parcerias com todos os tipos de degenerados, com a mesma naturalidade de quem toma um gole de água. Seus operadores necessitam do sofrimento humano, seja ele qual for, como matéria prima para suas edificações mefistofélicas.

A ideologia genocida – apesar de pregar cínica e falsamente o respeito ao próximo – não enxerga o menor traço de humanidade em seus desafetos e adversários políticos. Eles são inimigos. Em assim sendo, precisam ser – literalmente – eliminados.

A esquerda almeja a completa destruição de valores civilizatórios. Nela, a maldade é milimetricamente calculada. O bestial torna-se uma referência intrínseca. Ela é o que de mais próximo existe do conceito da anticivilização e da banalização da existência humana. Enfim, o objetivo será sempre desumanizar o homem para colher os frutos do embuste que pregam.

Daí a desumanidade com que os adversários políticos de Jair Bolsonaro trataram a barbárie que quase custou sua vontade vida.