Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

sábado, 13 de agosto de 2016

OLIMPÍADA - SECRETÁRIO BELTRAME TEM QUE SAIR, MAS NÃO SAIRÁ



Prezados leitores, publicamos artigo do jornalista Reinaldo Azevedo (Revista Veja) sobre o assassinado do Solda PM Hélio da Força Nacional de Segurança, que atuava na segurança dos jogos olímpicos.

"Revista Veja
Blog do Reinaldo Azevedo 
A morte do soldado Hélio e nossas mazelas e virtudes. Ou: Beltrame tem de sair 
Hélio Andrade, da Polícia Militar de Roraima, levou um tiro na cabeça ao entrar por engano no Complexo da Maré
12/08/2016 às 5:22 
Hélio Andrade, da Polícia Militar de Roraima, está morto. Ele era membro da Força Nacional. Nesta quarta-feira, por engano, entrou no Complexo da Maré, no Rio, numa viatura da corporação. Os traficantes lhe acertaram um tiro na cabeça. Internado no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, para uma cirurgia de urgência, que durou quatro horas e meia, não resistiu e morreu nesta quinta. 
Pois é… 
Qual é o Brasil real? Este que mata um inocente com um tiro na cabeça ou aquele que faz uma abertura grandiosa do evento e que abriga os Jogos, apesar de alguns sobressaltos, de forma bastante satisfatória? 
Os retóricos condoreiros tenderiam a dizer que real mesmo é o país que mata Hélio. Aquele da solenidade de abertura seria só uma fantasia. 
Discordo, é claro! Os dois países são reais: tanto aquele em que um bandido acerta um tiro na cabeça de um policial como o outro, capaz de lidar com o sublime. O Brasil que dá certo nos lembra de que podemos, sim, ser melhores. Não somos natural e congenitamente avessos à qualidade, ao saber técnico, à competência. 
Em larga medida, o que infelicita o país é a ligeireza com que determinadas correntes de pensamento afrontam o óbvio, o elementar. 
A forma como o Estado do Rio vem cuidando da segurança pública nos últimos 10 anos não passa de um delírio coletivo de supostos bem-pensantes. 
É claro que, cotidianamente, muitos outros atos violentos são praticados sem que ninguém saiba. A morte de um homem da Força Nacional vira um símbolo porque ele foi convocado justamente para aumentar a segurança, garantindo que os Jogos Olímpicos ocorram em paz. 
A política de ocupação pacífica das favelas não passa de uma narrativa de ficção tendente a alimentar consciências eventualmente culpadas. Ainda não se inventou uma alternativa eficaz à prisão de bandidos. Espantá-los ou redistribuí-los entre “comunidades” ainda não pacificadas é uma escolha errada na origem. 
Parece claro que o ciclo José Mariano Beltrame, no Rio, chegou ao fim. Não duvido da sua honestidade pessoal e de sua honestidade de propósito, mas cobro que ele tenha a humildade de confessar o insucesso de suas escolhas. 
Uma verdade se mostra insofismável: mesmo nos locais em que se instala a tal Unidade de Polícia Pacificadora, o controle do território ainda está com o narcotráfico. E, meus caros, sem a conquista territorial, não se faz nem a guerra nem a paz. 
E, ora vejam, o Rio nem chega a estar entre os cinco Estados mais violentos do país. Mas é o único, sim, em que uma política de segurança pública notavelmente inepta é vendida ao distinto público como uma fantasia integracionista. 
É lamentável (Fonte)". 

Juntos Somos Fortes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.