Seguidores

domingo, 20 de maio de 2012

POLICIAIS MILITARES PRESOS EM BANGU I - REUNIÃO.

Ontem, os Policiais Militares que foram presos no dia 10 FEV 2012 pelo governo Sérgio Cabral (PMDB), em face de estarem lutando por salários dignos, se reuniram para nivelar conhecimento sobre as medidas administrativas e judiciais em andamento. A reunião foi muito produtiva sendo inclusive acertados alguns detalhes sobre o livro que está sendo escrito por todos sobre o período de encarceramento ilegal nos porões de Bangu I. O fato negativo foi a constatação das sequelas de ordem emocional ainda experimentadas por alguns desses "prisioneiros do regime", que estão em fase de tratamento. Infelizmente, isso era inevitável, diante da tortura física e psicológica vivenciada nas solitárias da penitenciaria.
O governo do Rio de Janeiro humilhou heróis. Constrangeu ilegalmente, abusou de sua autoridade e torturou. Rasgou a Constituição Federal e outras leis. Uma vergonha. Tudo foi comunicado aos órgãos de direitos humanos e aos órgãos de controle do executivo e do judiciário. Até o momento apenas a Ouvidoria do Ministério Público e a Comissão de Direitos Humanos da ALERJ demonstraram que estão atuando. O tempo está passando, o que nos possibilitará denunciar aos organismos internacionais de direitos humanos, diante da inércia dos organismos nacionais.
Quem cometeu essas atrocidades sentará no banco dos reús, mais cedo ou mais tarde, podem anotar.
Juntos Somos Fortes!

2 comentários:

  1. É tudo muito triste.O que não aceito de tudo , é que ninguém faz nada.Se foram cometidos tantos erroa por parte dessas autoridades ; porque nada é feito a favor de vcs? Isso nos deixa desesperados , pois dá a certeza , que nossos militares não serão reentegados as corporações.E aí , como viveremos?Só quem está na dificuldade , é que sabe como é triste ler essas coisas , e a cada dia mais ter estaa certeza.

    ResponderExcluir
  2. Pior são companheiros de farda querendo derrubar outros para receber algum tipo de vantagem. Muito triste isso.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência.