BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os livros publicados pelo Coronel Paúl, encaminhe e-mail para pauloricardopaul@gmail.com

domingo, 12 de outubro de 2014

BOMBA! QUAL SERÁ O CARGO OCUPADO POR SÉRGIO CABRAL SE PEZÃO GANHAR A ELEIÇÃO?



Prezados leitores, Sérgio Cabral foi escondido estrategicamente durante o primeiro turno da campanha eleitoral e deve permanecer em tal situação ao longo do segundo turno, podem anotar.
Como diz o velho ditado: não se mexe em time que está ganhando.
Se Cabral tivesse aparecido na campanha ou se os adversários de Pezão tivessem mostrado na televisão, desde o começo,  que Pezão tinha sido o vice de Cabral por mais de sete anos, colando os nomes Cabral e Pezão, o indicado por Cabral não chegaria ao segundo turno e talvez estive entre os menos votados, mas isso não aconteceu.
Certamente, Crivella vai colocar Cabral na campanha logo no primeiro dia, pois isso facilitará muito a sua vitória, um resultado que é previsível, apesar do apoio que Pezão recebe da imprensa, uma herança deixada por Sérgio Cabral e pelos bilhões investidos em propaganda governamental.
Crivella deve vencer, mas se isso não acontecer, o que seria uma tragédia, qual será o cargo ocupado por Sérgio Cabral em um futuro governo Pezão?
Pezão adiantou que Sérgio Cabral será seu conselheiro, ninguém acreditou.
Alguns maliciosos decodificaram a afirmativa de Pezão como Cabral sendo a "eminência parda" do governo.
Todavia, aqui e ali, circulam boatos que ocorra a improvável vitória de Pezão, Sérgio Cabral ocupará um cargo no governo.
Ratificamos, boatos, nada mais do que boatos...
Tudo pode não passar de fofoca política.
Ouvimos até que Sérgio Cabral seria um super secretário acumulando a Defesa Civil e a Segurança pública, o que não acreditamos.
As cartas estão na mesa...
Prezados leitores, qual a opinião dos senhores e das senhoras?

Juntos Somos Fortes!

10 comentários:

  1. Vai aqui algumas sugestões: Secretário de Turismo, o mesmo adora viajar pra Paris; Carcereiro, já que adora prender os outros; Secretário de ilusionismo, enfim, passou o 1° turno sem fazer propaganda para o Cabrão. Ou melhor! Pezão; Secretario da Multiplicidade, conseguiu acumular bens de tal maneira.

    ResponderExcluir
  2. Cel, sugiro postar no seu Blog, video do Pastor Silas Malafaia, vamos retirar o PT do poder. Confira o Tweet de @PastorMalafaia: https://twitter.com/PastorMalafaia/status/519592502098010113

    ResponderExcluir
  3. Hipótese 1 - Cabral será O GOVERNADOR... Pezão, o dono das assinaturas. O Pinóquio não vai constar na folha de pagamento, seus amigos empresários vencedores das licitações e aditivos é que vão remunerá-lo. Entretanto, vai governar lá de Paris, à beira do rio Sena, através do zap zap, e-mail e Facebook; e o boneco de Olinda ficará no Palácio Guanabara saindo nas fotografias dos jornais e assinando e repetindo os textos escritos pelo seu mentor e pelo Wilson Carlos que preparará a reeleição da dinastia em 2018 com contratos de propaganda. Com ele, Cabral, estarão na terra de Napoleão os fiéis amigos guardanapos gastando um pouco do dinheiro que acumularam. Talvez passeiem em Aspen com as crianças e esposas. Irão rir muito... Rir, não! Irão gargalhar de doer a barriga quando lembrarem das manifestações de junho de 2013 pelo país a fora. Marco Antônio, Leonardo Picciani e outros jovens políticos cuidarão da manutenção de sua imagem junto aos novos eleitores. E, quem sabe, daqui a alguns anos, o desinteresse e a memória política do povo do Rio de Janeiro lhe presenteie com um novo mandato. É o grande sonho do Pinóquio: governar sem precisar pisar no Rio de Janeiro para não sentir o cheiro de sangue que ele próprio ajudou a derramar.

    Hipótese 2 - Antes mesmo da posse do GOVERNADOR CRIVELA, Cabral e sua trupe serão denunciados pelo MP/RJ. Terão de devolver milhões aos cofres públicos e passarão uma boa temporada jogando xadrez com Zé Dirceu, Genoíno, Paulo Roberto Cunha, Graça Foster e outros, lá em catanduvas. É o grande sonho do povo do Rio de Janeiro.
    Sgt Foxtrot

    ResponderExcluir
  4. Imagina Cabrão Secretário De Defesa Civil, vai botar os bombeiros de joelho no milho e de costas pra parede. E o politico mais inútil que o Rio de Janeiro já teve. Lamentável!

    ResponderExcluir
  5. Será secretário de turismo!! Vai ficar lá de Paris...

    ResponderExcluir
  6. Estou pensando como os da reserva remunerada, que aumento em forma de gratificações vai só para o pessoal da ativa, pode me chamar de burro, mas vamos ver o que o Pastor vai nos oferecer de aumento salarial. Se for omisso e não falar nada sobre nós, vou votar no Pezão que já publicou uma lei oferecendo 36,4 % de aumento parcelado em cinco vezes. Aecio neles.

    ResponderExcluir
  7. Tesoureiro!! Vai continuar com a chave do cofre

    ResponderExcluir
  8. Seria bom ver Cabral como Seguranca Publica e/ou Defesa Civil.
    Seria a vingança perfeita contra os que apoiaram Pezao e vao ser rebaixados pelo autoritarismo e arrogancia de Pinoquio

    ResponderExcluir
  9. Fernando Molica com Carlos Brito e Luisa Bustamante
    fotos: fotosinforme@odia.com.br e-mail: informe@odia.com.br


    12/10/2014 00:30:13
    Político afirma que boca de urna deu lugar à compra simples de votos
    O esquema é que explicaria as boas votações de candidatos a deputado em regiões muito distantes de seus tradicionais redutos

    FERNANDO MOLICA
    Rio - Um veterano político fluminense diz que a velha boca de urna deu lugar a um esquema ainda mais criminoso: a compra simples de votos. Segundo ele, há até “empresas” especializadas na venda de listas de eleitores — de um modo geral, moradores de cidades do interior e de favelas do Rio e da Baixada.
    O esquema é que explicaria as boas votações de candidatos a deputado em regiões muito distantes de seus tradicionais redutos. O voto em cidades pequenas custa a partir de R$ 50; na Baixada, por volta de R$ 170.

    A negociação

    Apesar de sua experiência, ele se diz assustado com a desinibição de muitos cabos eleitorais. Conta que, primeiro, o sujeito abre os braços apoiados na mesa; depois, apela para a criatividade na hora de pedir dinheiro.

    Os sinônimos

    Ele conta como é a conversa: “Uns afirmam precisar de ‘logística’ ou ‘paliativo’. Outros pedem ‘água para regar a planta’ e teve aquele que disse necessitar de um ‘faz-me rir’”.

    Santo de casa

    Filho do Pastor Everaldo, Filipe Pereira não conseguiu a reeleição para deputado federal.
    Rio quebrado

    O ex-prefeito Saturnino Braga decidiu contar em livro a história de um episório que marcou sua vida política: a falência do Rio em 1989, durante sua administração.

    Cel, esta mais que explicado o segundo turno do Cabrão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na baixada o povo tem comentado que um candidato a deputado que é filho de prefeito da região pagou 100 na boca de urna. Foi eleito. É assim que esse povo vota e é por isso que o voto não deveria ser obrigatório.

      Excluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.