Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

A AUTODEPRECIAÇÃO DOS POLICIAIS MILITARES DO RIO DE JANEIRO.

(Cinelândia - 2007 - O Globo)


Prezados leitores, ensina a vida que se nós não nos valorizarmos, quem nos valorizará?
O processo para obtermos a valorização é muito complexo e reúne uma série de valores nem sempre fáceis de definir, apesar dessa pluralidade de parâmetros é certo que a nossa valorização deve começar dentro de nós.
A autovalorização é o começo para que possamos ser valorizados.
No Rio de Janeiro, observamos que os Policiais Militares agem no sentido oposto é promovem a autodepreciação.
Nenhuma categoria profissional será valorizada se ela mesma se deprecia, como fazem os Policiais Militares.
A autodepreciação é um dos frutos das divisões que os militares estaduais se impõem, como a divisão entre Oficiais e Praças, por exemplo.
Se uma ideia ou ação nasce no seio dos Praças não serve para os Oficiais e vice-versa.
Logo as críticas aparecem nas redes sociais.
A divisão provoca a desunião, essa gera o enfraquecimento de toda categoria.
A autodepreciação, a divisão, a desunião e o enfraquecimento impedem o aparecimento de lideranças positivas e quando elas aparecem não são apoiadas, como ocorreu no governo Sérgio Cabral.
Como aceitar que uma instituição organizada militarmente não tenha um líder, nem na ativa, nem na inatividade?
O militarismo é uma escola de líderes por natureza.
A Polícia Militar tem mais de duzentos anos de existência e não possui um líder.
Isso seria inexplicável, mas as razões para isso estão expostas nesse artigo: autodepreciação, divisão, desunião e enfraquecimento.
As razões tornam simples a compreensão dos Policiais Militares fluminense não terem ninguém que os una, os defenda e os conduza para a consecução dos objetivos corporativos, isso de forma ordeira e pacífica.
Não são necessárias medidas extremas para obter conquistas, mas união e liderança são imprescindíveis.
Enquanto os Policiais Militares não se derem o seu justo valor, os políticos irão desvalorizá-los cada vez mais, isso é certo.
Crescerão a autodepreciação, as divisões, a desunião e o enfraquecimento institucional e diminuirá a possibilidade do surgimento de um líder.
O quadro é lamentável. 
A Polícia Militar atravessa a pior fase de sua história recente e a tendência é o agravamento.
O lema dos 40 da Evaristo e dos Coronéis Barbonos parece cada dia mais distante: juntos somos fortes!

Juntos Somos Fortes!

3 comentários:

  1. Os PMs não se depreciam, so querem mostrar que essa administração não os representa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você estiver certo, os PMs escolheram a pior maneira de demonstrar isso.

      Excluir
  2. Caro coronel, realmente há uma depreciação profunda. Atropa esta cada vez mais separada, alienada e individualista, somos mais um bando que verdadeiros militares.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.