BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

IMAGINEM O NÍVEL DE CORTISOL NOS POLICIAIS MILITARES DO RIO DE JANEIRO...



Prezados leitores, o artigo que publicamos teve como público alvo policiais americanos.
Leiam o artigo e imaginem como deve estar nível do hormônio do estresse (cortisol) da maioria dos Policiais Militares do estado do Rio de Janeiro.

"Superinteressante 
Saúde
Policiais desenvolvem resposta hormonal bizarra ao estresse
Estudo relacionou a rotina traumática a um desequilíbrio hormonal - e elencou as 5 situações mais estressantes no dia a dia de um policial 
Por Ana Carolina Leonardi 
7 fev 2017, 19h29 - Atualizado em 7 fev 2017, 20h31 
Trabalhar na linha de frente da segurança pública tem efeitos diretos na forma como o corpo responde ao estresse, segundo um estudo da Universidade de Buffalo. A pesquisa avaliou os níveis de cortisol na saliva de policiais estressados – e notaram um padrão bem diferente (e mais prejudicial) que o normal. 
Primeiro, eles dividiram os policiais entre muito estressados e pouco estressados. Para isso, tiveram que criar um “Índice de Estresse Policial” que também revelou um ranking dos eventos que policiais consideram mais perturbadores no dia a dia. 
Eleita como a pior situação no trabalho foi ver uma criança seriamente agredida ou morta. Ficou na frente de tirar a vida de alguém e perder um colega em serviço. 
Ranking de trauma 
1. Criança agredida ou sem vida 
2. Matar em serviço
3. Ver colega ser morto em serviço
4. Ter que usar a força contra alguém
5. Ser atacado por alguém
A pesquisa, feita com 366 oficiais, também mostrou que policiais de Buffalo enfrentam umas dessas 5 situações mais de 2 vezes ao mês. (Imaginem com a frequência que enfrentam os PMs do Rio de Janeiro)
De acordo com a frequência com que viviam estas situações perturbadoras, eles foram divididos em três grupos, de baixa, média e alta exposição a estressores (Leiam mais)". 

Juntos Somos Fortes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.