BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os livros publicados pelo Coronel Paúl, encaminhe e-mail para pauloricardopaul@gmail.com

domingo, 5 de fevereiro de 2017

OS PROTESTOS NA ALERJ E A PLURALIDADE DE CATEGORIAS ENVOLVIDAS



Prezados leitores, nós publicamos dois artigos com considerações sobre os protestos que estão sendo realizados na ALERJ contra o denominado "pacote de maldades" do governador Pezão.
São eles:
1) Pacote de Maldades - Por que os protestos não estão dando certo? (Link para o artigo).
2) O Pacote de Maldades - Os protestos na ALERJ e a politicagem (Link para o artigo).
Nos referidos artigos fazemos críticas construtivas, afinal temos interesse no sucesso da mobilização e participamos dela, mas basta ser uma crítica para logo alguém ficar incomodado.
Hoje apresentamos uma grande dificuldade para organizar os protestos: a pluralidade de categorias.
Os protestos têm reunido servidores públicos e militares do estado do Rio de Janeiro, ativos e inativos (aposentados) e pensionistas.
Tal diversidade, embora seja desejada para fortalecer, torna difícil unificar ações.
Por exemplo, o tema greve (paralisação).
Os Bombeiros e Policiais Militares não têm direito de greve.
Os inativos e as pensionistas não podem fazê-la, óbvio.
Portanto, a propalada greve geral, tantas vezes citada, enfrenta esse obstáculo.
Por falar em direitos, os Bombeiros e os Policiais Militares respondem por crimes comuns e por crimes militares, estão sujeitos aos dois códigos penais. 
Isso significa que ocupar a ALERJ terá uma gama de consequências para os militares e outra para as outras categorias.
Os Policiais Militares são a única categoria mobilizada que está dos dois lados, por assim dizer.
Temos aqueles que participam dos protestos (inativos e ativos de folga) e os que estão de serviço, os quais devem cumprir suas missões institucionais: policiamento ostensivo e preservação da ordem pública. 
Os organizadores precisam conhecer as diferenças entre as categorias, como as poucas que citamos, para planejarem e promoverem protestos que permitam ações diferenciadas.
Isso para o sucesso dos protestos e para não expor desnecessariamente os mobilizados.
Se  ao objetivo for pressionar os deputados reunindo milhares de mobilizados em frente à ALERJ, podem contar com todos.
Se for cobrar dentro dos trâmites legais a presença de representações das diferentes categorias nas galerias durante as votações, considerando que a ALERJ deveria ser a casa do povo, podem contar com todos.
Todavia, se o objetivo for um ato de valentia (coragem) no sentido de tentar invadir a ALERJ para ocupá-la, enfrentando o policiamento, excluam os Bombeiros Militares, os Policiais Militares, os idosos e as pensionistas.
Tal exclusão deve ser feita com a devida antecedência, avisando para que os citados possam se afastar do local (ALERJ) com calma (caso a ação surja de novo durante um ato) ou possam optar por ficarem assistindo de casa através das redes de televisão o confronto dos valentes com os Policiais Militares.
Simples assim!

Juntos Somos Fortes!

2 comentários:

  1. No Brasil, as Polícias Militares estaduais são as 27 forças de segurança pública que têm por função a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública, com exclusividade no policiamento ostensivo. Subordinam-se administrativamente aos governadores.

    Perguntas:
    Subordinam-se administrativamente a governadores corruptos também?
    Proteger corruptos faz parte de suas missões institucionais?
    Proteger corruptos, faz parte da preservação da ordem pública?

    ResponderExcluir
  2. os policias militares do brasil escolhem seus comandantes? para que serve a justiça?

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.