Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

UMA TRÉGUA À HIPOCRISIA - PERCIVAL PUGGINA


"UMA TRÉGUA À HIPOCRISIA, POR FAVOR!
por Percival Puggina. Artigo publicado em 25.02.2018

Existem correntes políticas e jurídicas sem qualquer entusiasmo para combater a criminalidade. Precisam dela para “justificação” de malsucedidas teses sócio-políticas e econômicas. Parte importante de sua tarefa, aliás, consiste em convencer as pessoas de que a criminalidade é subproduto da desigualdade social. E sabem que quem acreditar nisso estará assumindo, também, que basta implantar o socialismo para a harmonia e a paz reinarem entre os homens. Sim, sim, claro...
Num dos primeiros atos da intervenção das Forças Armadas no Rio de Janeiro, moradores da vila Kennedy, Vila Aliança e Coreia foram objeto de abordagem de rua com identificação para verificação de antecedentes criminais. A operação começou bem cedo, na manhã do dia 23 de fevereiro. Mais de três mil soldados retiraram barricadas instaladas pelos criminosos e passaram a fazer a identificação dos transeuntes. Enquanto isso, solicitavam aos moradores, por alto-falantes, que colaborassem com a operação denunciando traficantes.
Os defensores de direitos humanos, membros da defensoria pública e representantes da OAB-RJ logo se apresentaram para reprovar o que designavam como criminalização da pobreza e grave violação de garantias constitucionais. O Comando Militar do Leste discordou: “Trata-se de um procedimento feito regularmente, legal, cuja finalidade é acelerar a checagem nos bancos de dados da Segurança Pública”. Ademais, o tipo de operação está previsto no Decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) assinado por Temer em 28 de julho de 2017.
Comprova-se o que afirmei no primeiro parágrafo acima. De um lado, os traficantes, os barões do crime, os comandantes das facções se escondem nas favelas valendo-se da proteção que tais conglomerados proporcionam. De outro, entidades e instituições com orientação esquerdista, ou autorrotuladas como defensoras de direitos humanos, buscam inviabilizar a ação policial onde necessária e urgente. Mesmo uma simples identificação é apontada como perturbadora e ofensiva à dignidade daquelas populações. Na próxima vez que me pararem no trânsito devo convocar a OAB e a Defensoria Pública?
Pergunto: onde se escondem essas instituições e as tais comissões de “direitos humanos e cidadania” quando armas de guerra ceifam vidas inocentes nessas mesmas comunidades? Entre tiroteios, balas perdidas e rajadas de metralhadora, e uma simples identificação de rua, qual deve ser a escolha de uma mente sadia? Ora, senhores! Trégua ao cinismo e à hipocrisia, por favor! Querem prender criminosos mediante intimação por edital, carta registrada, telefone?
Só uma profunda desonestidade intelectual pode justificar o argumento de que operação desse tipo não aconteceria no Leblon. Bandidos devem ser buscados onde habitualmente se escondem. A decisão de realizar operações cá ou lá não é tomada por preconceito, mas por estatística.

Nota do autor: Aos 60 anos da revolução cubana, estou ultimando uma nova edição ampliada e atualizada de “Cuba, a tragédia da utopia”. Ela estará disponível nos próximos meses.

* Percival Puggina (73), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.

3 comentários:

  1. Falando em hipocrisia, Coronel, eu me lembrei do caso envolvendo o jornalista Felipe Andreoli, ex-CQC, atualmente contratado pela Rede Globo.

    Na época da sua contratação, vários torcedores tricolores a questionaram, inclusive devido ao suposto alto valor dela, que seria de 70 mil reais, valor aparentemente bem superior ao que o Marcelo Adnet, com muito mais destaque que ele, receberia na época.

    O que me fez relembrar o caso, foi uma notícia aparentemente boba do UOL, sobre uma ex-BBB. Veja:

    https://mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br/2018/02/25/ex-bbb-sugere-que-ficou-2-anos-sob-contrato-na-globo-para-abafar-o-caso/

    Ela diz ter ficado anos sob contrato na Globo, sem fazer nada, para abafar uma situação não revelada por ela.

    Eu achei interessante, porque tal fato não pode ser ignorado. É prática comum naquela emissora contratar ou manter medalhões como o Jô Soares, apenas para derrubar a concorrência. Mas, daí eu pergunto: quem é o Felipe Andreoli? Ele sequer tinha muito destaque no CQC. E quem é essa moça do BBB? O povão talvez a conheça, assim como apenas alguns jovens de classe-média conheciam o Andreoli, que continua a ser um apresentador de terceiro escalão.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.