Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quinta-feira, 15 de março de 2018

RIO - INTERVENÇÃO - MORTE DE VEREADORA - EXECUÇÃO É A PRINCIPAL LINHA DE INVESTIGAÇÃO

Tenho escrito que o presidente Temer "jogou" o Exército Brasileiro no Inferno.
Controlar a violência no Rio de Janeiro é uma missão quase impossível diante da dimensão que o problema alcançou.
Facções e quadrilhas dominam o cenário e acuam significativa parte dos habitantes do território fluminense
A possível execução da vereadora é mais um homicídio entre tantos que são praticados diariamente.
A verdade é que sobreviver no Rio de Janeiro está cada vez mais difícil e os dias seguem passando sem que os habitantes identifiquem uma ação de maior contundência das forças interventoras.



"Site G1 
Vereadora do PSOL, Marielle Franco é morta a tiros na Região Central do Rio
Principal linha de investigação é execução. Marielle foi assassinada no bairro do Estácio, na Região Central, quando voltava de um evento na Lapa.
Por João Ricardo Gonçalves, Leslie Leitão, Marina Araújo e Patricia Teixeira, G1 Rio e TV Globo
14/03/2018 22h06 Atualizado há menos de 1 minuto (Fonte)".

3 comentários:

  1. Os jornalistas são mesmo sumidades intelectuais; uma pessoa é assassinada e eles e os especialistas SUSPEITAM de execução. Eu tenho é certeza q a pessoa foi sim executada.

    ResponderExcluir
  2. Olha, ninguém deveria ser assassinado, nem essa senhora que, na minha opinião, era muito boa para gente da mesma laia que ela. Mas a verdade é que ela mesma ajudou a transformar o RJ numa terra dominada por bandidos sanguinários e armados de fuzis, pois seu engajamento com inflamáveis discursos clichés e levianos lhe rendia notoriedade na política esquerdista, fétida, e em seu mundinho fora da realidade (socialistas e sociólogos, que combinação fedorenta) com tara em apedrejar as polícias.

    Sinceramente, enquanto somente "os silvas" estiverem perdendo a vida (grupo onde policiais e este rapaz do Caxambi estão), ninguém vai esquentar a cabeça com violência urbana. Tanto é assim, que, ano passado, morreram 134 PMs e sei lá quantos cidadãos comuns, mas mesmo assim Mariele Franco, Freixo e demais hipócritas esquerdistas jamais exigiram uma solução para tanto atentado contra os Direitos Humanos das vítimas direitas (já que o que lhes importa é ser contra o Estado nas causas do interesse de marginais e seus parentes sob o pretexto de ser a voz dos que não a possuem).

    Por outro lado, o Psol não perdeu a chance de fazer "política? " para liquidar a única medida realizada após as fracassadas UPPs, a intervenção federal de araque do governo Temer para tentar trazer alguma sensação de segurança para a população, chegando ao absurdo de exigir o seu fim. Agora choram, esquerdistas?

    Desculpem - me se vai soar desumano, até mesmo pelo fato de ter sido perdida uma vida humana jovem, mas a verdade não pode ser escamoteada para agradar os ouvidos de ninguém, muito menos de hipócritas: a vítima da vez colheu a tempestade que ela própria e seus iguais ajudaram a formar somente para se projetarem politicamente. Podem chorar, eu não ligo, pois esgotei meu estoque de lágrimas em 2017 ao perceber que 134 vidas foram jogadas fora sem que qualquer grupelho fumador de maconha e politicamente correto gritasse por justiça.

    Como cristão, rogo a Deus para que receba sua alma; como policial, que O Senhor ajude a polícia a alcançar os seus algozes.

    Mariele, ausente...

    Boa viagem, vereadora, descanse em paz!

    Sgt Foxtrot

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.