BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os livros publicados pelo Coronel Paúl, encaminhe e-mail para pauloricardopaul@gmail.com

sexta-feira, 24 de março de 2017

TROCA DE FAVORES? GOVERNADOR PEZÃO SERÁ TESTEMUNHA DE DEFESA DE SÉRGIO CABRAL



Prezados leitores, a Rádio CBN noticiou que o governador Pezão será testemunha de defesa de Sérgio Cabral, o que poderá ser uma troca de favores, tendo em vista que Pezão poderá necessitar que Cabral seja testemunha na sua tentativa de defesa no futuro.
Nós pensamos que terá pouco ou nenhum valor, o testemunho de um em defesa do outro.
Eis a transcrição:

"CBN
Pezão confirma que vai depor como testemunha de defesa de Cabral 
Depoimento ocorrerá no próximo dia 7 em processo relacionado à Operação Lava-jato. Essa é a segunda vez que Cabral convoca seu ex-vice para depor a seu favor. 
Luiz Fernando Pezão confirma presença em juízo por e-mail 
Crédito: reprodução 
Por Lucas Soares 
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, confirmou presença em juízo no próximo dia 7 para depor como uma das testemunhas de defesa do ex-governador Sérgio Cabral. Ele vai ser ouvido na sede da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, onde correm os processos relacionados à Operação Lava-jato no estado. A resposta ao juiz Marcelo Bretas foi enviada por email às 12h30 desta quinta-feira. 
Além do atual governador, Cabral lista outras testemunhas de defesa: o senador Eunício Oliveira, do PMDB; Antonio Bernardo, dono da joalheria homônima; Ricardo Pernambuco, da Carioca Engenharia; José Irã, presidente da Comissão de Licitações da Secretaria de Estado de Obras do Rio; Ícaro Moreno Júnior, presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro, a Emop, e Henrique Alberto Santos Ribeiro, ex-presidente do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, o DER-RJ. 
Essa foi a segunda vez que Cabral convocou seu ex-vice pra depor a seu favor. Ele também vai prestar depoimento junto à 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, do juiz Sérgio Moro, no dia 6 de abril. Na ocasião da intimação, Pezão também confirmou presença por email, de um celular. 
Como testemunha, o governador não pode escolher ficar em silêncio, a não ser que alguma resposta possa o incriminar". 

Juntos Somos Fortes!

Um comentário:

  1. Testemunha tem que responder todas as perguntas formuladas. Não pode silenciar. Se mentir pode vir a ser preso. E aí?

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.