Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

sábado, 18 de março de 2017

VÍDEO - RIO - A SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DEVE SER EXTINTA E RÁPIDO

Prezados leitores, apresentamos alguns aspectos sobre a necessidade da extinção com brevidade da secretaria de segurança pública do estado do Rio de Janeiro, algo que defendemos desde 2007 nesse espaço democrático.


 


Juntos Somos Fortes!

8 comentários:

  1. E qual é a proposta que o senhor tem para gerir a segurança?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A proposta está nesse vídeo em apertada síntese, mas que permite a compreensão.

      Excluir
  2. Coronel, mudando um pouco de assunto...

    https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2017/03/17/processo-do-sao-paulo-por-video-faz-henri-castelli-se-explicar-a-justica.htm

    E por que não convocaram todos aqueles jornalistas sabichões para prestar depoimentos quanto ao que sabiam sobre o caso da "Flamenguesa"?

    ResponderExcluir
  3. Grato pelo comentário. Amanhã publicarei um artigo no blog. Abc

    ResponderExcluir
  4. A MAMÃE LADRA FOI SOLTA,APENAS POR SER A MAIOR "ADEVOGADA" DO BRASIL.
    E A MAIOR LADRA TAMBÉM.
    MAMÃE,VAMOS PASSEAR NO IATE QUE PAPAI COMPROU COM DINHEIRO ROUBADO DOS FUNCIONÁRIOS ESTADUAIS !
    NÃO FILHINHOS,A MAMÃE LADRA VAI FICAR NO BARRAQUINHO DE MANGARATIBA,ENTERRANDO DIAMANTES E BARRAS DE OURO QUE O PAPAI COMPROU COM DINHEIRO ROUBADO DAQUELES OTÁRIOS.

    ResponderExcluir
  5. Junto com a SESEG, essa polícia cara, que possui funcionários, centenas, que ganham mais de trinta mil reais por mês sem jamais terem experimentado o que é ser policial no RJ ou conseguirem planejar um policiamento adequado. Esta aí um grande e verdadeiro desperdício do erário.

    ResponderExcluir
  6. Este tipo de desperdício ocorre também dentro da Polícia Militar do Rio de Janeiro, na época em que o comandante-geral da PM, era o ilustre Cel PM Erir da Costa Filho, havia excesso de coronéis e poucas vagas, 36 oficiais recebiam da PM sem ter função. Os sem cargo custavam R$ 7,1 milhões por ano aos cofres públicos. Além dos oficiais e praças que estão fora das atividades-fim, cedidos a outros órgão, que não tem nada a ver com policiamento ostensivo e manutenção da ordem pública.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito. Mas o seu comentário complementa o anterior, que se refere nas entrelinhas ao mesmo desperdício. Tem um detalhe: o desperdício continua até hoje.

      Excluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.