BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

PACOTE DE MALDADES: PGR PEDE AO STF INTERVENÇÃO FEDERAL NO RIO

Prezados leitores, a culpa pela falência do Rio de Janeiro não é dos militares estaduais e do funcionários públicos, isso está mais do que evidente.
Nós concordamos com o excelentíssimo PGR:
"A única calamidade que temos é a péssima gestão (...)"




"Jornal Extra
14/11/16 06:00 Atualizado em 14/11/16 07:12
PGR pede ao STF intervenção federal no Estado do Rio e questiona calamidade pública
Nelson Lima Neto
A Procuradoria-Geral da República (PGR) da 2ª Região, no Rio de Janeiro, ingressou, no último dia 9 de novembro, no Supremo Tribunal Federal, com um pedido de intervenção federal no Estado do Rio. No documento de 20 páginas, o procurador responsável elenca irregularidades cometidas pela administração pública, que resultaram na diminuição do repasse regular para a Saúde, entre os anos de 2013 e 2015. O pedido da PGR vai além da intervenção. Foi feita uma representação, na mesma data, solicitando ao Ministério Público Federal (MPF) que apresente uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) para questionar a lei que regulamentou a calamidade pública financeira no estado.
“A única calamidade que temos é a péssima gestão usada como escudo para que o governo não cumpra seus compromissos e reduza os gastos essenciais, além de dar margem ao governo para violar a própria Constituição e servir de gambiarra jurídica que proíbe o repasse de recursos do Tesouro para estados inadimplentes”, cita a PGE na representação (Leiam mais)".

Juntos Somos Fortes!

2 comentários:

  1. http://m.oantagonista.com/posts/propaganda-em-primeiro-lugar

    ResponderExcluir
  2. 15 DE NOVEMBRO DE 1889
    CARO COMPANHEIRO CORONEL PMERJ PAUL
    SÓ PARA LEMBRAR QUE AMANHÃ, 15 DE NOVEMBRO, É O DIA DA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA, EU ESCREVO:

    ENTÃO FOI PARA ISSO QUE O MARECHAL DEODORO DA FONSECA PROCLAMOU A REPÚBLICA:

    PARA VER ESTE PAÍS AVACALHADO, HUMILHADO, ROUBADO, ESPOLIADO, SUGADO NAS SUAS RIQUEZAS E IMPOSTOS POR PARASITAS,LADRÕES DO DINHEIRO PÚBLICO, LADRAVAZES ESCROQUES DE CARTEIRA ASSINADA, QUE ROUBAM BILHÕES DOS COFRES PÚBLICOS!!

    TUNGADO POR DEGENERADOS, EXCRECÊNCIA DA RAÇA HUMANA, QUE QUASE QUEBRARAM O PAÍS, E CONSEGUIRAM FALIR ESTADOS RICOS, MAS QUE CONTINUAM SOLTOS ESCARNECENDO DA POPULAÇÃO, NAS BARBAS DO PODER JUDICIÁRIO E DO MINISTÉRIO PÚBLICO!!!

    SERIA MELHOR TER CONTINUADO COMO BRASIL IMPÉRIO E ENTÃO QUEM SABE TODOS OS POLÍTICOS, SERVIDORES PÚBLICOS E EMPRESÁRIOS CORRUPTOS SERIAM CONDENADOS À MORTE, POR CRIME DE LESA PÁTRIA!!!

    SEGUE ABAIXO A LETRA DO HINO PORQUE AFINAL DE CONTAS A LÁGRIMA CONTINUA SENDO VERDADEIRA APESAR DE TUDO!!!
    PAULO FONTES

    Hino da Proclamação da República
    Compositores: letra Medeiros e Albuquerque / Música: Leopoldo Augusto Miguez

    Seja um pálio de luz desdobrado,
    Sob a larga amplidão destes céus.
    Este canto rebel, que o passado
    Vem remir dos mais torpes labéus!

    Seja um hino de glória que fale
    De esperanças de um novo porvir!
    Com visões de triunfos embale
    Quem por ele lutando surgir!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós,
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz

    Nós nem cremos que escravos outrora
    Tenha havido em tão nobre País...
    Hoje o rubro lampejo da aurora
    Acha irmãos, não tiranos hostis.

    Somos todos iguais! Ao futuro
    Saberemos, unidos, levar
    Nosso augusto estandarte que, puro,
    Brilha, ovante, da Pátria no altar !

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós,
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz

    Se é mister que de peitos valentes
    Haja sangue em nosso pendão,
    Sangue vivo do herói Tiradentes
    Batizou neste audaz pavilhão!

    Mensageiro de paz, paz queremos,
    É de amor nossa força e poder,
    Mas da guerra, nos transes supremos
    Heis de ver-nos lutar e vencer!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós,
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz

    Do Ipiranga é preciso que o brado
    Seja um grito soberbo de fé!
    O Brasil já surgiu libertado,
    Sobre as púrpuras régias de pé.

    Eia, pois, brasileiros avante!
    Verdes louros colhamos louçãos!
    Seja o nosso País triunfante,
    Livre terra de livres irmãos!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós!
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz!

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.