Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quinta-feira, 6 de julho de 2017

VÍDEO - "RAPIDINHA" COM O CORONEL PAÚL - 010 - 06 JUL 17 - A VIOLÊNCIA E AS FORÇAS ARMADAS

Prezados leitores, o Coronel de Polícia Reformado Paulo Ricardo Paúl comenta (mais uma vez) que a violência não será controlada no estado do Rio de Janeiro sem o emprego das Forças Armadas na retomada e na ocupação das comunidades carentes dominadas por grupos que se utilizam de armas de guerra. 



Juntos Somos Fortes!

Um comentário:

  1. O problema vai aumentar mais inda, quando os homens de bem, vocacionados a serem políciais se derem conta de que o preço a pagar por tal vocação é conviver com o descaso do Estado para com a segurança pública, as arbitrariedade do sistema contra os praças, a falta de reconhecimento por parte da população, a defesa dos direitos dos manos contra os policiais e a mídia tendeciosa, que só dá ênfase contra as ações policiais. A hora em que ele se der conta disto, o cidadão vocacionado poderá trocar o sonho de vestir uma farda por um emprego que não se identifica, ou mesmo continuar desempregado.
    Com certeza só vai piorar, e assim todos nós perderemos.

    Já foram assassinados 84 policiais militares até agora em 2017, e as autoridades, a sociedade, a mídia, etc., só veem como caos na segurança pública, o número de mortos por intervenção policial ou por balas perdidas.

    Discordo do uso das forças armadas para resolver este caso, se as forças armadas tiverem que intervir, que seja para tirar os corruptos do poder, elimindo os corruptos sobrará dinheiro para aparelhar as polícias e pagar bem aos policiais que trabalham na prevenção e no combate ao crime, proporcionando assim uma segurança pública de qualidade à sociedade.

    Se continuar assim como está, amanhã, as nossas forças armadas não serão suficientes e estaremos pedindo o apoio da força de paz da ONU, a qual chegando aqui, será recebida com flores pelos corruptos.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.