Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

MUSPE REALIZA SEGUNDO PROTESTO EM FRENTE AO PALÁCIO GUANABARA

Prezados leitores, temos escrito que não é tarefa fácil realizar uma ato de protesto nas ruas, sobretudo quando esse ato reúne diversas categorias profissionais como é o caso do MUSPE.
Apesar dessa verdade, todo esforço é válido, pois essa é uma das raras formas de pressionar os péssimos políticos que nos governam.




Diante desse quadro, devemos parabenizar os organizadores do evento de ontem, o qual se não foi um sucesso em termos de número de participantes, teve uma boa repercussão na imprensa, o que incomodou com certeza o governo Pezão.
Apesar do sucesso, não devemos esquecer dos equívocos, para que possamos minimizá-los no próximo ato e atrair cada vez mais mobilizados.
Ontem, os militares do estado do Rio de Janeiro, Bombeiros e Policiais Militares tiveram uma presença muito discreta. Os Bombeiros não chegaram a vinte e os Policiais Militares não chegaram dez, isso em um universo de participantes entre quinhentas e mil pessoas.
O atual movimento tem uma característica muito diferente dos movimentos dos 40 da Evaristo e dos Coronéis Barbonos (2007/2008); do SOS Bombeiros (2011) e do fracassado movimento unificado da segurança pública (2012), onde os representantes sindicais da PCERJ pelaram fora no primeiro momento.
A presença de aposentados (inativos) e de pensionistas de elevada idade, eis o diferencial.
Submetê-las a uma caminhada às 12:00 horas do Largo do Machado até o Palácio Guanabara, sob o calor escaldante do Rio de Janeiro, foi uma tortura a mais que foi imposta a elas.
Salvo melhor juízo, mais uma vez, pareceu que os líderes da mobilização não sabiam o que fazer ao chegarmos em frente ao Palácio Guanabara e a mobilização se perde.
O fato de serem sempre os mesmos responsáveis pela "falação" acaba enfraquecendo o movimento e criando falsas lideranças. Não devemos ter lideres, devemos ter uma comissão organizadora. Tais pseudo lideranças acabam sendo confundidas com interesses políticos (algo legítimo), mas que em nada nos fortalece nesse momento de luta,
O saldo foi extremamente positivo, apesar de não ocorrer qualquer ganho concreto, mas só a continuidade (o que também está faltando), como demonstraram os Bombeiros (2011) poderá nos levar ao sucesso, isso aliado a outras formas de pressão que estão sendo desenvolvidas.
Nós não desistiremos!
Nós venceremos.

Juntos Somos Fortes!

2 comentários:

  1. Tem que ter movimento no presídio onde está o Cabral para o governo acordar com a situação dos funcionários.
    Cabral com medo significa muita gente com medo.

    ResponderExcluir
  2. Essas supostas lideranças não querem negociar, querem na verdade o confronto, e por isso falam em vinte mil manifestantes.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.