BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

DELATOR DE CABRAL VAI PARA PRISÃO DOMICILIAR POR CAUSA DOS RISCOS À INTEGRIDADE

Prezados leitores, defesa do delator temia por sua integridade física, nada mais lógico, afinal o grupo de Sérgio Cabral está preso em Bangu 8 e ele poderia sofrer represálias dos delatados.


Adriana Ancelmo e Sérgio Cabral
Casal está preso


"Jornal O Dia 
Ex-assessor de Cabral vai para prisão domiciliar diante de 'situação de risco' 
Para juiz, a transferência de Magalhães Pinto para prisão federal em outro estado afastaria o preso de seu meio social e familiar 
10/01/2017 20:11:24 
ESTADÃO CONTEÚDO
Rio - O juiz Marcelo da Costa Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, que conduz a Operação Lava Jato no Rio, determinou nesta terça-feira, a substituição da prisão preventiva de Paulo Fernando Magalhães Pinto Gonçalves, ex-assessor especial do ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB), em domiciliar. Os dois foram presos na Operação Calicute, que investigou crimes corrupção em obras públicas durante o governo do peemedebista (2007-2014). O ex-assessor de Cabral pode ter fechado acordo de colaboração premiada. 
No pedido de mudança do regime de prisão, a defesa de Magalhães Pinto sustentou que a integridade física de seu cliente estaria ameaçada, por causa da divulgação na imprensa de suposto acordo de colaboração premiada. O magistrado pediu que o Ministério Público Federal (MPF) se manifestasse sobre o caso. Em seu posicionamento, o MPF não confirmou nem negou a existência do acordo, mas reconheceu que a notícia pode colocar em risco a integridade física do réu. 
Para o titular da 7.ª Vara Federal Criminal, a transferência de Magalhães Pinto para prisão federal em outro Estado seria uma medida dispendiosa e afastaria o preso de seu meio social e familiar, "demonstrando-se inadequada no caso concreto". Bretas também afirma em sua decisão ser inegável a situação de risco. 
"Tendo em vista que a manutenção da prisão gera risco social maior do que os eventuais prejuízos oriundos de sua colocação em prisão domiciliar, determino a substituição da prisão preventiva em prisão domiciliar", afirma, no despacho (Leiam mais)". 

Juntos Somos Fortes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.