BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS ESGOTADOS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os próximos livros a serem publicados pelo Coronel Paúl, basta encaminhar e-mail para pauloricardopaul@gmail.com e forneceremos informações.

sábado, 10 de dezembro de 2016

PACOTE DE MALDADES: ADIADA A VOTAÇÃO NA ALERJ. O QUE ISSO SIGNIFICA?



Prezados leitores, a ALERJ adiou a votação da proposta do governador Pezão de aumentar o desconto previdenciário dos funcionários públicos e militares do estado do Rio de Janeiro de 11% para 14%.
Um movimento estranho considerando que dias atrás a ALERJ apressou as votações.
Qual o verdadeiro motivo para o adiamento?
O receio da grandiosidade prevista para o protesto programado para o dia 12, diante da enorme mobilização dos manifestantes?
A possibilidade da ocorrência de violência e vandalismo (como é citado na reportagem)?
Uma manobra para esvaziar o protesto no dia 14? 
Desmobilizar a paralisação marcada pelos Policiais Civis para o dia 12?
Ganhar tempo para tentar convencer deputados indecisos a votarem com o governo e contra a população, o funcionalismo e os militares do estado do Rio de Janeiro?
Qual será a resposta certa?

"Jornal O Dia
Informe: Alerj adia votação de aumento de alíquota previdenciária de servidores 
Temendo protestos violentos, deputados votarão o texto na quarta-feira 
09/12/2016 18:20:21 - ATUALIZADA ÀS 09/12/2016 21:05:07
PAULO CAPPELLI 
Rio - Com receio de protestos violentos, a Assembleia Legislativa adiou para quarta-feira a votação que definirá o aumento da alíquota previdenciária e o cancelamento de reajustes salariais para servidores públicos do estado. Inicialmente, as medidas seriam analisadas na segunda-feira. 
Deputados optaram pela mudança ao saber da possibilidade de protestos de servidores armados na porta da Alerj na segunda. Acreditam que, até quarta-feira, haverá mais tempo para o governo conversar com o funcionalismo e acalmar os ânimos. 
Pela proposta do Palácio Guanabara, a alíquota previdenciária passaria de 11% para 14% para os servidores; e a contribuição patronal, de 22% para 28%. 
Outra medida polêmica diz respeito ao adiamento, para 2020, de aumentos salariais aprovados em 2014 e que entrariam em vigor em 2017. 
Abaixo, a justificativa oficial da Alerj para o adiamento: 
"A mudança no calendário foi uma decisão da presidência da Casa, para que haja mais tempo para negociar as propostas.Não haverá votação na segunda-feira (12/12). Na terça (13/12), às 13h, será votado o projeto de lei 2.242/16, que prevê aumento das alíquotas do ICMS.Das 22 propostas originais, dez foram devolvidas ou retiradas de pauta e doze foram discutidas. Na última quinta-feira (8/12), a proposta que extinguia os programas Renda Melhor e Renda Melhor Jovem foi rejeitada pela Casa (projeto de lei 2.246/16).O pacote recebeu ao todo 722 emendas dos deputados. Essas emendas, alterações que podem modificar de forma parcial ou integral o texto original, são discutidas em reuniões, antes das votações, entre líderes partidários e Executivo (Fonte)". 

Juntos Somos Fortes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. O conteúdo dos comentários são de sua responsabilidade.