Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

PACOTE DE MALDADES - SECRETÁRIO, AS SOLUÇÕES EXISTEM...

Prezados leitores, quem ouve ou lê as declarações do senhor Gustavo Barbosa, secretário de fazenda, acredita que estamos em um beco sem saída no que diz respeito aos futuros pagamentos dos funcionários públicos e dos militares estaduais.
Ele usa a alegada impossibilidade para direcionar no sentido da aprovação do pacote de maldades.
Contra tal argumento existe o fato de que o governo continua arrecadando, isso não deixou de acontecer.
A implantação de uma boa gestão do dinheiro público e a responsabilização dos maus gestores melhorarão a arrecadação, afinal quem deu causa deverá ressarcir os cofres público, o que se faz necessário é a celeridade nas providências.
Evitar os desvios do dinheiro público e a realização de obras e de eventos sem necessidade, também contribuirão para a preservação dos cofres públicos.
O fim das isenções fiscais e dos cargos comissionados também resultarão em impacto positivo.
São inúmeras as providências que a curto e a médio prazo reequilibrarão as contas estaduais.
Difícil será implantar essas medidas com o mesmo governo que destruiu a economia do Rio de Janeiro.
O que torna o impeachment ou a renúncia como condições indispensáveis para o sucesso.




 "Jornal Extra 
Publicado em 04/12/16 06:00
Se não fizermos nada, não se pagará mais os servidores em dia’, diz o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa 
Nelson Lima Neto 
O secretário estadual de Fazenda, Gustavo Barbosa, conversou com o EXTRA sobre as alternativas que o governo tem hoje diante da crise que levou o estado à calamidade pública. Ele torce para que os projetos de lei enviados à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) ofereçam recursos contra o caos e, reconhece que o governo errou ao tratar das isenções fiscais para empresas.
Sobre os últimos meses de 2016, Barbosa afirmou não ter previsão de receitas extras — a multa repassada pela União, como parte da Lei de Repatriação para recursos ilegais que estavam no exterior, por exemplo, terá um impacto de “apenas” R$ 88 milhões nas contas do Rio, caso seja repassada ainda em dezembro. Isso, nem de longe, pagará o 13º salário dos servidores, como era esperado (folha em torno de R$ 2 bilhões).
Se nada for feito para elevar as receitas e reduzir as despesas, o Rio de Janeiro terá um déficit de R$ 52 bilhões até 2018, segundo Barbosa. Os salários do funcionalismo, com isso, dificilmente serão pagos em dia nos próximos meses (Fonte)". 

Juntos Somos Fortes!

5 comentários:

  1. Perfeito, Cel Paúl! Com esse governo que aí está realmente não há saída para a crise, posto que ele é o próprio causador dela. A PMERJ, por exemplo, poderia firmar convênio com a SEFAZ e contribuir no esforço arrecadatório apoiando a fiscalização aos grandes sonegadores e nas Barreiras Fiscais Rodoviárias, mediante prévio planejamento conjunto.
    Outra medida que economizaria muito dinheiro seria a extinção da SESEG. As PM e PC possuem estruturas próprias e podem gerir os recursos recebidos diretamente do Tesouro Estadual, sem uma entidade paquidérmica e onerosa em recursos humanos e materiais como a SESEG.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outra medida útil seria acabar com esse monte de viaturas oficiais levando servidor público para o trabalho e para casa. Como qualquer mortal, o deslocamento de ser feito em transporte público ou particular.

      Excluir
  2. 👆👏👏👏 soluções existem! Até o Anthony Garotinho apresentou uma: tributar o petróleo produzido aqui. Mas parece que o Governo Sérgio Cabral-Pezão tem algo pessoal contra o funcionalismo público, para insistir nesse pacote de austeridade massacrante e absurdo, que foi perfeitamente apelidado de 'pacote de maldades'.

    ResponderExcluir
  3. CARO COMPANHEIRO CORONEL PMERJ PAUL
    ESSE SENHOR GUSTAVO BARBOSA FOI O MAIOR RESPONSÁVEL PELA DELETÉRIA ADMINISTRAÇÃO DO RIO PREVIDÊNCIA QUE QUEBROU A AUTARQUIA DURANTE OS 6 ANOS POR QUE LÁ PASSOU.
    ELE É FUNCIONÁRIO DA CEF REQUISITADO, ONDE EXERCEU CARGOS NA DIREÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR MAS FOI INCAPAZ DE ESTANCAR OS ROMBOS DE 20 BILHÕES DA FUNCEF, ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA DA CEF.
    SUA FORMAÇÃO É DE CONTABILISTA,MAS NÃO SABEMOS SE FORMADO EM CIÊNCIAS ATUARIAIS, NECESSÁRIA PARA EXERCERFUNÇÃO NO RIO PREV.

    FOI UM DOS PRIMEIROS A RESPONSABILIZAR OS CORONÉIS RR E REF DA PM PELO ROMBO NAS CONTAS DO ESTADO, ESQUECENDO-SE DOS SUSERANOS DO ESTADO, OS INTEGRANTES DO TJ RJ, MPE,DEFENSORIA PÚBLICA, ALERJ,TCE, PODERES QUE RECEBEM DUODÉCIMOS CONSTITUCIONAIS MAS NÃO PAGAM SEUS APOSENTADOS E PENSIONISTAS COM ESSE VALOR.
    AGORA É SECRETÁRIO DE FAZENDA EM DETRIMENTO DE CENTENAS OU MILHARES DE QUADROS DA CARREIRA FAZENDÁRIA CAPAZES DE EXERCER COM VANTAGEM O CARGO.
    REZO PARA QUE A OPERAÇÃO LAVA JATO CHEGUE NOS MALFEITOS DAQUELA AUTARQUIA PORQUE SE DEPENDER DA INAÇÃO DO MPE E TJ RJ NADA SERÁ FEITO.
    SAUDAÇÕES
    PAULO FONTES

    ResponderExcluir
  4. CARO COMPANHEIRO CORONEL PMERJ PAUL,
    A JULGAR PELO CURRICULUM ABAIXO DO SENHOR GUSTAVO BARBOSA EX PRESIDENTE DO RIO PREVIDÊNCIA POR 6 ANOS E AGORA SECRETÁRIO ESTADUAL DE FAZENDA, A CURTO PRAZO O ESTADO DO RIO DE JANEIRO E TODO O FUNCIONALISMO BEM COMO A POPULAÇÃO EM GERAL, DEPENDENTE DA ARRECADAÇÃO DO ESTADO, ESTARÃO MORTOS!!

    Antes de assumir o cargo no Rioprevidencia, em janeiro de 2011, Gustavo de Oliveira foi Gerente Nacional de Previdência Pública e Privada e Gerente de Relacionamento Institucional da Caixa Econômica Federal; E Conselheiro do Conselho de Administração do Hopi Hari S.A.

    Agora pensem comigo: O senhor Gustavo Barbosa, oriundo da Caixa Econômica Federal foi Gerente Nacional de Previdência Pública e Privada e Gerente de Relacionamento Institucional da Caixa Econômica Federal e parece que enquanto esteve por lá nada fez ou não pode ou não soube fazer para estancar a monumental TERA ROUBALHEIRA ocorrida naquela instituição, seja quanto as pedaladas fiscais da ex presidente condenada a perda do cargo que ocupava por crime de RESPONSABILIDADE, ou pelo desvio bilionário na FUNCEF, fundo de pensão daquela caixa, perpetrado pelos seus gestores.

    Será que com essa ficha belíssima este senhor tem condições de ocupar os cargos que ocupou e ainda ocupa?

    Eu tenho a mais absoluta certeza que graças a essa administração improba e inquinada de má gestão, o estado do rio de janeiro passa pelo que passa e na atual conjuntura de crise financeira do estado, as caríssimas estruturas organizacionais de todas as secretarias de estado, todos os órgãos da administração direta, indireta, autárquica e fundacional são inócuas e perfeitamente dispensáveis.

    É URGENTE que o governador, se é que possuímos um, promova uma radical reforma administrativa, uma departamentalização, se é que conhecem o assunto, adote os postulados da TEORIA CONTINGENCIAL DA ADMINISTRAÇÃO, e transforme essa custosa estrutura em coordenadorias ou departamentos, simplesmente pelo fato de que não há sentido em gastar tanto dinheiro numa organização onerosa, ineficiente, ineficaz e inefetiva, para executar atividades que podem ser maximizadas com o custo operacional mínimo.

    Eu gostaria de perguntar ainda ao senhor Gustavo Barbosa o seguinte:

    AONDE FORAM PARAR OS VALORES DESCONTADOS PELOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTATUTÁRIOS QUE TRABALHARAM POR 30 ANOS OU MAIS, E QUE MESMO DEPOIS DE APOSENTADOS CONTINUAM DESCONTANDO PARA O RIO PREVIDÊNCIA, DIFERENTEMENTE DOS SERVIDORES CELETISTAS QUE NADA DESCONTAM DEPOIS QUE SE APOSENTAM PARA CUSTEAR SUAS PENSÕES E APOSENTADORIAS?

    SE O TESOURO ESTADUAL NÃO REPASSOU QUANDO DA CRIAÇÃO DESSA CUSTOSA E ONEROSA E PERFEITAMENTE DISPENSÁVEL AUTARQUIA CHAMADA DE RIO PREVIDÊNCIA,QUE TRATEM DE COBRAR PORQUE ESSE DINHEIRO É NOSSO!!!

    AONDE FORAM PARAR OS VALORES DESCONTADOS POR SERVIDORES CELETISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, E QUE NESSA CONDIÇÃO CONTRIBUIRAM PARA O INSS E QUE COM O ADVENTO DA CARTA DE 1988, INGRESSARAM NO RJU DO ESTADO? O ESTADO COBROU ESSE DINHEIRO DA UNIÃO? EM QUE CONTA ESTÃO ESSES VALORES?

    E OS VALORES DESCONTADOS PELOS SERVIDORES MILITARES E CIVIS, PARA O RIO PREVIDÊNCIA, QUE SÃO DEMITIDOS A BEM DO SERVIÇO PÚBLICO, VÃO PARAR AONDE?

    FINALMENTE SENHOR GUSTAVO BARBOSA PARE DE DEMONIZAR E CULPAR OS OFICIAIS DA PMERJ PELA BANCARROTA DO ESTADO,AFIRMANDO QUE SÃO AS NOSSAS APOSENTADORIAS QUE CONTRIBUEM PARA A FALÊNCIA DO RIOPREV.

    OS NOSSOS PROVENTOS CONSTITUEM TROCO DE BALEIRO QUE VENDE BALA PUXA NA PORTA DA ESCOLA SE COMPARADOS AOS ASTRONÔMICOS SALÁRIOS PAGOS AOS SUSERANOS DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA CRIMINAL, A SABER: PODER JUDICIÁRIO, MINISTÉRIO PÚBLICO, DEFENSORIA PÚBLICA, PROCURADORES DO ESTADO, E OUTRAS CATEGORIAS COMO ALERJ, TRIBUNAL DE CONTAS, FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL.

    OS CULPADOS FORAM AQUELES QUE CONCEDERAM ISENÇÕES FISCAIS NA ORDEM DE 140 BILHÕES, ENTRE 2007 E 2013, ILEGAIS, IMORAIS, INCONVENIENTES E INOPORTUNAS!!

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.