Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quarta-feira, 18 de julho de 2012

IASERJ: UM GOVERNO VORAZ PARA DESTRUIR A SAÚDE PÚBLICA

 Jornal Extra (foto)
1) O GLOBO: 
Defensoria entra com liminar para retomada do atendimento no Iaserj 
Órgão diz que pacientes não poderiam ser transferidos sem a criação de novos postos 
RIO — O defensor público federal André Odacgy entrou com um pedido de liminar na tarde de terça-feira para que o município do Rio, o estado e a União entrem em um acordo sobre o atendimento no Hospital Central do Instituto de Assistência aos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj). O Iaserj passa por um processo de desativação desde o último sábado para dar lugar a um prédio do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Segundo a Defensoria Pública da União, o atendimento não poderia ter sido interrompido sem a criação imediata dos novos postos de atendimento (Leiam mais).
2) JORNAL DO BRASIL:
Iaserj: MP exige do Estado provas do cumprimento da decisão judicial.
Caio de Menezes.
O Ministério Público Estadual (MP) solicitou à secretaria estadual de Saúde (SES) o cumprimento da decisão judicial que autorizou a transferência de pacientes internados no Hospital Central do  Instituto de Assistência aos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj). O MP quer que a SES comprove "a comunicação prévia dos familiares e o respeito aos protocolos clínicos para a remoção de pacientes graves e estáveis", sob o risco de ser multada.
Em visita a unidade de saúde, a promotora Patrícia Silveira Tavares, da Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva de Saúde do MP averiguou se houve a interrupção do atendimento ambulatorial, já que isto, segundo a decisão judicial, somente poderia ser feito após "a informação, de modo inequívoco, do local e horário onde será realizada a próxima consulta/exame ou continuidade de tratamento aos pacientes que se encontram em tratamento, tenham exames agendados ou que possuem consulta médica agendada".
De acordo com a promotora 'tal comunicação não ocorreu até a presente data, impondo, ao Estado, a continuidade do serviço até então prestado no ambulatório' (Leiam mais).
Juntos Somos Fortes!

Um comentário:

  1. Enquanto a saúde publicava deteriorava aqui, no estado do Rio, o então governador Sérgio Cabral, desfilava em Paris, com seu secretário de saúde, e também seu amigo intimo, Fernando Cavendiche e muitos outros que se esbaldavam na comitiva. O governador e seus amigos não precisão de saúde pública. Todos eles possuem seus caros convênios, ou desfrutam de dinheiro para pagar por atendimento particular, com sobra.
    Se este país fosse sério, esse governador já teria sido cassado, desligado da vida política desse nação.
    Atitudes como a dele só mostram o descaso e o desleixo que tem com o povo, seus eleitores.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.