BLOG DO CORONEL PAÚL

JORNALISMO INVESTIGATIVO E INDEPENDENTE.

LIVROS

Prezado leitor, caso esteja interessado em obter informações sobre os livros publicados pelo Coronel Paúl, encaminhe e-mail para pauloricardopaul@gmail.com

quarta-feira, 18 de julho de 2012

POR QUE A "POLÍTICA" DE SEGURANÇA PÚBLICA DO GOVERNO SÉRGIO CABRAL (PMDB) FRACASSOU ( 03 )?



Beltrame - 2008

Nos artigos anteriores da série, tratamos da inexistência de um esboço de política para a área de segurança pública no plano de governo do candidato Sérgio Cabral (PMDB), isso em 2006; tratamos das dificuldades enfrentadas pelos governadores no Brasil diante do erro de projeto existente na Constituição Federal de 1988, as polícias pelas metade, as quais não realizam o ciclo completo de polícia, a polícia ostensiva e de preservação da ordem pública (Polícia Militar) e a polícia investigativa (Polícia Civil); e comentamos a injustificada existência da caríssima e inócua secretaria de segurança pública nos estados brasileiros.
Hoje, trataremos da nomeação do secretário de segurança, tarefa do governador eleito.
Na escolha do secretário de segurança os governadores enfrentam um dilema: escolher um Delegado (Policial Federal ou Civil), um Coronel (Policial Militar) ou um leigo, alguém que não seja profissional da área de segurança pública.
A opção por um leigo coloca na cadeira alguém que não conhece a área que irá gerenciar, a opção pelo Delegado ou pelo Coronel coloca alguém que conhece metade do problema e ainda, causa desconforto na corporação preterida. Não existe saída boa para o governador.
Eleito Sergio Cabral (PMDB) nomeou o Policial Federal José Mariano Benicá Beltrame, um gaúcho que recentemente tinha atuado em operações da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Ouvi muitos boatos sobre a nomeação, o principal no sentido de que não teria sido uma escolha de Cabral, mas sim uma cota política do PT, mas isso não é importante para as nossas análises.
Por sua vez Beltrame teve que escolher o comandante geral da Polícia Militar e o Chefe da Polícia Civil. O Delegado Gilberto foi o escolhido para chefiar a PCERJ, pouco sei sobre ele, portanto, não avançarei nos comentários. No caso da Polícia Militar, o escolhido foi o Coronel PM Ubiratan de Oliveira Angelo, sem dúvida, o Coronel mais qualificado na época para comandar a PMERJ. Ubiratan se preparou muito bem ao longo da vida para ser comandante geral, além disso, tinha ótimo trânsito com a imprensa, com o mundo acadêmico e com os movimentos sociais. Infelizmente, Ubiratan não pode trabalhar na direção que todos esperavam dele, integrantes da secretaria de segurança pública não permitiram, o que fez com que a PMERJ perdesse a melhor oportunidade nas últimas décadas de evoluir, como trataremos no futuro.
Ao longo do governo Beltrame se mostrou imexível, fortemente blindado, apesar dos diversos problemas na área que gerencia. Ele não caiu e ocupa a cadeira até hoje, mas bateu todos os recordes na nomeação dos assessores diretos. Em pouco mais de 5 anos, Beltrame já tinha nomeado 4 comandantes gerais da PMERJ e 3 chefes da PCERJ, um recorde nacional, além de nomear um falso Tenente Coronel do Exército Brasileiro para assessorá-lo.
Beltrame assume e sem uma política para a segurança pública, investe na antiga prática do "tiro, porrada e bomba", violenta Ubiratan e sai invadindo comunidades carentes no Rio de Janeiro, espalhando balas perdidas por todos os lados e recebendo críticas inclusive de organismos internacionais, mas isso será tema dos próximos artigos da série.
Juntos Somos Fortes!

3 comentários:

  1. INFELIZMENTE NÃO TEMOS LIDERES, OU SEJA PESSOAS QUALIFICADAS PARA EXERCER CARGOS DE CHEFIA. NESTE CASO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA NÃO CAIU POR CAUSA DA MALDITA POLITICA, QUE BLINDA OS INCOMPEEÊNTES.A MELHOR ESCOLHA QUE ESSE SECRETÁRIO FEZ FOI O CEL. UBIRATAN ANGELO, POIS AS IDÉIAS DESSE CEL TRANSCENDIA A JÁ FALIDA IDÉIA DE SEGURANÇA PÚBLICA. ELE O CEL.É UM HOMEM COMPETENTE E QUERIDO PELA TROPA, QUE JÁ É MUITO DIFICIL. POIS A TROPA NA MAIORIA PRAÇAS NÃO GOSTAM DOS CORONÉIS. NA MINHA MODESTA OPINIÃO O COMANDANTE GERAL DEVERIA SER ESCOLHIDO PELA TROPA. EU ACHO QUE É UM CARGO DE GRANDE RESPONSABILIDADE, E INFELIZMENTE, APESAR DO CARGO SER EXERCIDO SÓ POR CORONÉIS, NEM TODOS ESTÃO A ALTURA DE EXERCE-LOS. EXEMPLO ESSE, É O NOSSO ATUAL COMANDANTE GERAL, QUE NÃO TEM CARISMA E NÃO É BEM VISTO PELA MAIORIA DOS PRAÇAS E MUITOS OFICIAIS DA PMERJ. CORONEL UBIRATAN SERIA FÁCILMENTE ELEITO, POR SER COMPETENTE E TER CARISMA E SER QUERIDO PELA TROPA, E QUANDO EU DIGO TROPA, EU FALO DOS PRAÇAS. MAS A CHAMADA POLITICAGEM INTERROMPEU UM GRANDE AVANÇO NA PMERJ QUANDO ELE PREMATURAMENTE DEIXOU DE SER CMT GERAL. UMA PENA, DALI PRÁ CÁ SÓ TEVE INCOMPETENTES.

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente, com certeza existem muitas falhas na segurança pública do estado. Mas precisamos admitir as inúmeras melhorias que foram proporcionadas por esse mesmo governo.

    ResponderExcluir
  3. Paúl faltou citar oficiais do exército. No governo Marcelo Allencar que após 12 anos reunificou a secretaria de segurança publica que havia sido desmembrada no primeiro governo Leonel Brizola (1983-87) e assim permaneceu nos governos Moreira Franco (1987-1991), no segundo governo Brizola (1991-93) e no governo Nilo Batista (1994-95), no governo Marcello Alencar (1995-99) tivemos Ten Cel Euclimar da Silva, posteriormente substituido pelo General do exército Newton Cerqueira.

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.