Comunique ao organizador qualquer conteúdo impróprio ou ofensivo

quinta-feira, 26 de julho de 2012

PSDB, DEM E PV VÃO ENTRAR COM REPRESENTAÇÕES CONTRA CABRAL

Os Reis do Rio
Sérgio Cabral (PMDB) e Eduardo Paes (PMDB)

Jornal O Globo on line.
PSDB, DEM e PV vão entrar com representações contra Cabral.
Partidos reagiram às declarações do governador em Londres, onde pediu votos para Paes. 
DÓRIO EWBANK VICTOR 
RIO - Os diretórios do PSDB, DEM e do PV no Rio de Janeiro vão entrar com representações na Justiça Eleitoral contra o governador do Rio, Sérgio Cabral, por propaganda eleitoral irregular e uso da máquina no processo eleitoral. O motivo foi a declaração de Cabral durante evento realizado nesta quarta-feira em Londres, quando ele pediu votos para o prefeito Eduardo Paes, candidato à reeleição pelo PMDB. O governador do Rio viajou para participar da abertura dos Jogos Olímpicos. O candidato tucano a prefeito, Otavio Leite, considerou o fato um “abuso de autoridade”. Ele ressaltou que o partido também vai entrar com uma representação contra Paes, pelo mesmo motivo. 
- É um nítido caso de abuso de autoridade, que ofende a Lei Eleitoral. Afinal era um evento oficial do Rio, e o palanque acabou virando eleitoral, custeado pelo bolso dos cariocas. Estes abusos estão se tornando um péssimo exemplo para a nossa democracia. Estão se tornando lugar comum à postura do governo do Rio - disse Otavio. 
O secretário de Assuntos Jurídicos do PV, Eurico Toledo, afirmou que as declarações de Cabral em Londres “afrontam a Constituição”. Já o DEM, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que vai pedir na Justiça o retorno dos recursos públicos usados na viagem do governador. O candidato pelo PSOL, Marcelo Freixo, informou que o partido não vai entrar com representação, mas vai aguardar a posição dos órgãos fiscalizadores quanto ao fato. Freixo criticou a postura de Cabral em Londres. 
- Eles (Cabral e Paes) perderam completamente o limite do público com o privado. Espero que, desta vez, ele não tenha colocado guardanapo na cabeça para pedir voto - disse Freixo, se referindo a foto dos secretários do Rio durante viagem à Paris. 
No entanto, o Ministério Público Eleitoral (MPE) informou que, inicialmente, não exerga irregularidades na atitude de Cabral. Segundo informou a assessoria de imprensa, só seria considerado crime eleitoral se a declaração de Cabral fosse feita antes do último dia 6, quando começou a campanha eleitoral. 
Para cientista político, Cabral foi oportunista 
O cientista político Ricardo Esmael considerou o fato como um "oportunismo" de Cabral, e que merece o repúdio da população. 
- Um governador tem que saber separar as coisas. Ele está representando as forças do Rio de Janeiro, não só o PMDB e o seu candidato. Se ele aproveitou para fazer campanha, acho que certamente merece repúdio. Agora, se é crime eleitoral, isso eu não posso dizer, mas o caso é, no mínimo, uma falta de sensatez - disse. 
Já o David Flasher, cientista político da Universidade de Brasília (UnB), acha normal este tipo de comportamento em anos eleitorais 
- Eu acho que qualquer político brasileiro aproveita estas brechas. Se o Paes for reeleito, vai pegar as Olimpíadas do Rio no final de sua gestão, o que é interessante para Cabral em termos de exposição - explicou. Lula foi multado após pedir votos para Paes Além de Cabral, o ex-presidente Lula também pediu votos para Paes, antes mesmo do período de propaganda eleitoral, em junho. O feito foi registrado durante o lançamento da Transoeste, corredor expresso que liga os bairros de Santa Cruz, Campo Grande e Barra da Tijuca, todas na Zona Oeste do Rio. Por conta do pedido de votos, Lula foi multado em R$ 5 mil. 
- Hoje eu posso dizer para vocês que valeu a pena pedir votos para Eduardo Paes. Posso te dizer, Eduardo, que, em 2012, eu tenho muito mais convicção - discursou Lula na ocasião, se referindo a campanha de 2008, quando também pediu votos para o atual prefeito do Rio. Por conta das declarações, Lula foi multado em R$ 5 mil pela Justiça Eleitoral, por propaganda antecipada. 
Juntos Somos Fortes!

3 comentários:

  1. O dinheiro público deveria ser utilizado para pagar os profissionais que prestam serviços essenciais à população, como Bombeiros e Policiais Militares. Um Estado que tem a segunda maior arrecadação de impostos do país poderia, ou melhor, deveria pagar aos "heróis sociais" cerca de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) mensais, para cobrir as despesas básicas de sobrevivência, já que o custo de vida no Rio é altíssimo! A insatisfação das tropas da PMERJ e do CBMERJ, por ter o pior salário do Brasil e pelas péssimas condições de trabalho, é evidente!

    ResponderExcluir
  2. Não vejo como irregular a atitude de Cabral. Qualquer político faria o mesmo se tivesse oportunidade. Em anos de eleição, isso é normal e estamos em período de campanha, portanto não tem nada de irregular nisso.

    ResponderExcluir
  3. Em campanha por melhorias salariais, agentes da Polícia Federal fizeram hoje (25) um protesto em frente ao edifício-sede da PF durante o qual prometeram “radicalizar” o movimento caso não tenham resposta positiva até o fim do mês para as reivindicações. Gritando palavras de ordem, os policiais também pediram a saída do atual diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello.Continua....
    fonte:http://campos24horas.com.br/site2/geral/pf-25/

    ResponderExcluir

Exerça a sua liberdade de expressão com consciência. Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste blog.